Polícia de SP prende traficante de maior facção paulista que estava em lista de mais procurados

O traficante Valter Lima Nascimento, de 42 anos, ligado à maior facção paulista e que constava na lista dos dezesseis criminosos mais procurados do estado, foi preso na madrugada da última quarta-feira, na Praça Vicente Rodrigues, no Butantã, Zona Oeste de São Paulo, pela Rota, braço ostensivo da PM.

Nascimento, o Guinho, é considerado pela polícia o braço direito de Gilberto Aparecido dos Santos, o Fuminho, principal fornecedor de drogas para a facção. Segundo investigadores da Policia Civil, Fuminho foi um dos fiadores do plano de resgate do chefe da facção, Marcos Willians Herbas Camacho. O planejamento encabeçado pelo próprio Marcola, como é conhecido, começou a ser pensado em 2021 e tinha linhas de tática distintas, envolvendo invasão do presídio, sequestro de familiares para negociar a liberação e uma rebelião na penitenciaria, mas não foi bem sucedido.

Pesquisa: 38,1% dos que votaram em Bolsonaro concordam com atos golpistas

Vídeo: Extremista é detido por ameaçar manifestantes com simulacro de arma, em SP

Policiais da Rota receberam uma denúncia anônima de que o suspeito, procurado pela Justiça por envolvimento no tráfico internacional de drogas e com mandado de prisão expedido em setembro de 2020, estava em um carro transitando pela Marginal Tietê por volta da uma da manhã. O veículo foi localizado pelo sistema Detecta de radares na região do Tatuapé, no sentido da Rodovia Castelo Branco. A partir daí, as buscas pelo automóvel começaram.

Na Praça Vidente Rodrigues, na região do Butantã, a Rota encontrou o veículo estacionado. O suspeito, que estava dentro do imóvel, viu os policiais na rua e tentou fugir, mas foi detido. Dentro da casa estavam o filho e a esposa de Guinho. Ele apresentou documento falso, com o nome de Walter Fernandes Batista. Ao verificarem a identidade, ele confessou que prestava serviço para uma organização criminosa.

Nascimento foi levado ao 14º DP, em Pinheiros, também na Zona Oeste da capital. Segundo o G1, na audiência de custódia, realizada na última quinta-feira, ele teve a prisão em flagrante convertida em prisão preventiva e foi encaminhado ao Centro de Detenção Provisória 4 de Pinheiros.

O traficante já esteve preso em 2002, 2004, 2006, 2017 e 2019, segundo o G1. Em setembro de 2019, ele foi preso no Shopping ABC Plaza, em Santo André. Teve sua liberdade decretada, através de um habeas corpus, em abril de 2020. No mesmo ano, em setembro, Guinho recebeu uma condenação maior que as anteriores, de 20 anos e 5 meses de reclusão.