Polícia volta atrás em indiciamento de suspeitas da morte de família em SP

Giuliana de Toledo
Romuyuki, Juan e Flaviana foram encontrados carbonizados em um carro em São Bernardo do Campo, semana passada. Foto: Reprodução/Facebook

SÃO PAULO - A polícia voltou atrás no indiciamento de suspeitas de matar uma família encontrada carbonizada dentro do porta-malas de um carro na madrugada da última terça, em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo.

Na sexta-feira, a polícia informou que Ana Flávia Gonçalves, 24 anos, filha do casal morto junto com o filho de 15 anos, e sua namorada, Carina Ramos, 26, tinham sido indiciadas por triplo homicídio. Neste sábado, porém, como informa o “G1”, a corporação recuou e afirmou que elas ainda não foram responsabilizadas pelo crime.

O inquérito continua em aberto, e as duas mulheres seguem presas temporariamente por suspeita de envolvimento nas mortes dos empresários Romuyuki Gonçalves e Flaviana Gonçalves e do estudante Juan Victor, de 15 anos. Os depoimentos delas, segundo a polícias, apresentaram uma série de contradições. A defesa das duas nega que tenham participação no crime.

Em gravações de câmeras do circuito interno do condomínio da família, os carros de Ana Flávia e de Carina aparecem entrando e saindo do local em horas próximas ao crime. No vídeo, Carina usa um moletom com capuz. Também pesa sob Ana Flávia o fato de ter trocado o chip de seu celular dias antes do ocorrido.

Neste sábado, investigadores disseram que exames mostraram a presença de sangue na casa da família Gonçalves. Foram achados vestígios na escada, em roupas e na máquina de lavar. A polícia também já identificou dois de três homens suspeitos de participarem dos homicídios. Os nomes não foram divulgados.

Os próximos passos da investigação são encontrar a arma usada para matar as três vítimas e descobrir a motivação do crime.