Além da política, EUA dependem de insumos médicos da China para combater coronavírus

Por Shaun TANDON
Integrante da equipe médica do Centro Montefiore, em Nova York

Políticos americanos expressaram sua irritação com o manejo por Pequim da crise do novo coronavírus, mas enfrentam uma dura realidade: os Estados Unidos precisam, desesperadamente, do abastecimento da China.

Antes da crise, o gigante asiático produzia quase metade das máscaras importadas pelos Estados Unidos, que costumavam custar menos de um dólar, mas, agora, estão em falta. A China é o maior fornecedor mundial de equipamentos de proteção.

"A China é uma fonte em massa de fornecimento deste tipo de produto, em um momento de grande necessidade, tanto nos Estados Unidos quanto em nível mundial", diz Chad Bown, pesquisador do Instituto Peterson de Economia Internacional. "Se você não está aberto à China e tenta comprar estes artigos da China atualmente, não há esperança."

Os fabricantes americanos aceleraram a fabricação, com 3M e Honeywell ampliando a produção para 70 milhões por mês, o que ainda está muito aquém da necessidade. O Departamento de Saúde e Serviço Social tenta comprar 500 milhões de máscaras, para ter uma reserva estratégica.

A crise sanitária impulsionou para os fabricantes chineses o negócio das máscaras N95, desenhadas para bloquear 95% das partículas muito pequenas.

Dan Harris, advogado de Seattle que representa empresas em mercados emergentes, publicou em seu blogue que três empresas foram fraudadas recentemente em mais de 1 milhão de dólares após fazerem pedidos de máscaras N95 da China. Uma empresa recebeu "máscaras de Halloween empoeiradas".

- Tensão bilateral -

Chad Bown não encontrou evidências, nos primeiros dados disponíveis, de que a China tenha cortado o abastecimento ou o tenha desviado para parceiros políticos, como a Itália, que também se viu gravemente atingida. Suas exportações de equipamentos de proteção caíram nos primeiros dois meses do ano, porém menos do que as exportações totais, segundo o pesquisador.

A China fornece 48% do equipamento de proteção pessoal importado pelos Estados Unidos e 50% do da União Europeia, segundo cálculos de Bown. O presidente Donald Trump passou de arremeter contra Pequim a se gabar da cooperação com o presidente Xi Jinping.

Trump, que impôs tarifas de bilhões de dólares sobre produtos chineses desde que assumiu o cargo, insinuou, na última quarta-feira, que os números divulgados pela China sobre o surto de coronavírus eram inferiores aos reais. Ele parecia confirmar um relatório de Bloomberg, que citava a inteligência americana dizendo que a China minimizou deliberadamente seus casos.

- Foco em produtos farmacêuticos -

Yanzhong Huang, especialista em saúde global do Conselho de Relações Exteriores e da Universidade Seton Hall, explica que a fabricação de máscaras cresceu na China pela mesma razão que muitas indústrias de exportação: a produção é de baixa tecnologia e trabalho intenso.

Potencialmente mais problemático, assinala Huang, é o fornecimento de componentes farmacêuticos ativos. Uma audiência no Senado americano revelou no ano passado que mais de 80% dos componentes-chave das drogas no país se originaram no exterior, principalmente na China ou Índia, que, ao contrário, tem relação próxima com o país.

Huang espera que, depois da crise, os Estados Unidos tomem medidas para cortar ou diversificar a rede de abastecimento de componentes farmacêuticos ativos. Mas assinala que os Estados Unidos dominam em muitos remédios vitais, incluindo o tratamento de doenças não-transmissíveis de preocupação crescente na China.

"A China tem influência, mas devemos levar em conta que não é um processo de mão única. Os Estados Unidos também têm sua própria influência. Não acredito ser prudente que nenhum país use isto, realmente, como uma arma", adverte Huang.

O senador Tom Cotton, republicano que criticou Pequim abertamente, propôs uma proibição total da compra de componentes farmacêuticos ativos da China em 2022.

Para Chad Bown, os países não deveriam buscar a autossuficiência no abastecimento médico, e sim buscar um abastecimento global diverso. "A questão é que, com uma pandemia como esta, nenhum lugar está a salvo, em nenhuma parte do mundo."