Políticos, artistas e outras personalidades repudiam Alvim

***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 16.01.2020 - Retrato de Roberto Alvim, dramaturgo e atual secretário da cultura da gestão Bolsonaro. (Foto: Andre Coelho/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Políticos, artistas e outras personalidades se manifestaram nesta sexta-feira (17) sobre o vídeo divulgado por Roberto Alvim, secretário da Cultura do governo Bolsonaro, na noite de quinta (16), em que parafraseia discurso de Joseph Goebbels.

O vídeo foi postado pela Secretaria Especial da Cultura do governo Bolsonaro, que acabou exonerado do cargo nesta sexta, para divulgar o Prêmio Nacional das Artes, lançado horas antes em transmissão ao vivo na internet com a participação do próprio presidente.

O presidente nacional da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Felipe Santa Cruz, afirmou que o secretário de Cultura do governo federal, Roberto Alvim, "ultrapassou todos os limites ao optar pela clara e aberta apologia ideológica do regime nazista" e deve ser afastado imediatamente sob pena de o país se enquadrar internacionalmente como inimigo da democracia.

"A arte alemã da próxima década será heroica, será ferreamente romântica, será objetiva e livre de sentimentalismo, será nacional com grande páthos e igualmente imperativa e vinculante, ou então não será nada", disse o ministro de cultura e comunicação de Hitler em um pronunciamento para diretores de teatro, segundo o livro "Joseph Goebbels: uma biografia", de Peter Longerich.

"A arte brasileira da próxima década será heroica e será nacional. Será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional e será igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes de nosso povo, ou então não será nada", afirmou Alvim no vídeo postado nas redes sociais.

Para Alvim, a semelhança dos discursos trata-se apenas de coincidência, mas ele também disse ter considerado perfeita frase de Goebbels sobre arte.

*

Confira a seguir a repercussão do assunto nas redes sociais:

Dias Toffoli - presidente do Supremo Tribunal Federal

"Há de se repudiar com toda a veemência a inaceitável agressão que representa a postagem feita pelo secretário de Cultura. É uma ofensa ao povo brasileiro, em especial à Comunidade Judaica."

 

Rodrigo Maia - deputado federal pelo DEM e presidente da Câmara

"O secretário da Cultura passou de todos os limites. É inaceitável. O governo brasileiro deveria afastá-lo urgente do cargo."


Marina Silva -  candidata à presidência na disputa eleitoral de 2018

"É repugnante e inaceitável o discurso do secretário de cultura, Roberto Alvim, copiando o discurso do ideólogo nazista. A única opção do governo era sua demissão imediata. Não pode haver espaço pra esse tipo de apologia de ideias que levaram a crimes de lesa-humanidade."


Ciro Gomes - candidato à presidência na disputa eleitoral de 2018

"Um canalha destes tem que ser demitido ou canalha mor será aquele que o mantiver . Milhões de seres humanos foram mortos como consequência deste tipo de discurso!"


Guilherme Boulos - candidato à presidência na disputa eleitoral de 2018

"Entre o ridículo e o perigoso há uma linha. Ela foi ultrapassada com o vídeo nazista de Roberto Alvim. Se ele não cair, os limites de tolerância à barbárie no Brasil serão alargados ainda mais."


Luciano Huck - Apresentador de TV

"Sou brasileiro de família judia. 6 milhões de judeus morreram por causa do nazismo. O holocausto é um fato histórico. Usar a Cultura p/ fazer revisionismo histórico é perverso e violento. O vídeo do secretário Roberto Alvim é criminoso. Revela uma conduta autoritária inaceitável."


Orlando Silva - deputado federal pelo PCdoB e ex-ministro do Esporte

"O absurdo chegou ao inaceitável, virou crime e ofensa ao Brasil. O Secretário de Cultura do governo Bolsonaro plagiou declarações de Goebbles, ministro da propaganda nazista e braço direito de Hitler. É caso de demissão sumária e interpelação judicial."


Marcelo Freixo -  deputado federal do Rio de Janeiro

"Roberto Alvim, ao citar Joseph Goebbels, intelectual da propaganda nazista, em discurso oficial da secretaria de Cultura, escancara as intenções autoritárias deste governo."


Fernando Holiday - vereador de São Paulo

"Roberto Alvim está exonerado. Não havia outra saída. Manter o secretário seria uma desonra para o país e, principalmente, para a memória das vítimas do nazismo. Espero que um dia a esquerda brasileira siga o mesmo caminho, deixe a hipocrisia e expurgue os quadros comunistas."


Zelia Ducan -  cantora

"Definitivamente o fracasso subiu à cabeça do patético encarregado da falta de Cultura,Roberto Alvim...ator canastrão,diretor fracassado, encontrou nesse governo desafinado e brega, seu frágil êxtase nazista-fetichista.Faltou o bigode,pro fã do crime aparentar melhor com o ídolo."


Mika Lins - atriz e diretora teatral

"O secretario parafraseou Goebbels. Interpretou o personagem no pronunciamento com Wagner dectrilha sonora e tudo. Nao achem que não há um objetivo nisso. Só não vai dar pra dizer depois que esse governo passar que isso era um "experimento teatral". Que esteve ali infiltrado."


Pablo Villaça - escritor e crítico de cinema

"Se há um momento de definição entre a civilidade e a barbárie, entre o humanismo e o puro ódio, entre a dignidade e a total falta de princípios, este momento é agora. Roberto Alvim não é uma aberração dentro do governo de @jairbolsonaro, mas a expressão máxima deste."


José de Abreu - ator

"Convoco todos os artistas brasileiros a se posicionar contra o homem que destratou Fernanda Montenegro. Que todos assumam a defesa da cultura brasileira contra esse debil mental, mente lesada pela cocaina, que se arvora num novo Goebbels! Ou somos todos um bando de merdas?"


Ana Paula Henkel - ex-jogadora de vôlei e medalhista olímpica

"Gente, que meda desse vídeo. Gostei não. Será que podemos retomar o debate agora sobre tirar o esporte e a cultura das asas do governo?"