Políticos repudiam agressões a jornalistas durante caminhada de Bolsonaro em Roma

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Políticos repudiaram as agressões a jornalistas por seguranças que escoltavam o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante passeio em Roma, na Itália, onde ele participou de encontro de líderes do G20, neste domingo (31).

Conforme relatou a repórter Ana Estela de Sousa Pinto, do jornal Folha de S.Paulo, também alvo de violência na ocasião, Bolsonaro não deu atenção aos acontecimentos, olhando fixamente para a frente durante todo o trajeto. Assessores do presidente em nenhum momento pediram calma ou intercederam.

"Bolsonaro estimula agressões a jornalistas dentro e fora do Brasil. Indesejado aqui e desprezado lá. Um verdadeiro pária. Ninguém quer ficar perto", disse o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), à reportagem.

"Nada mais me surpreende em relação à postura desse governo. Respeito a pessoas e à imprensa é premissa de respeito às liberdades. Para bom entendedor…", afirmou Gilberto Kassab, presidente do PSD.

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PSB), se manifestou nas redes sociais. "Minha solidariedade aos jornalistas agredidos em Roma por uma comitiva de arruaceiros que está, mais uma vez, envergonhando o Brasil perante o mundo. Nosso país está cheio de problemas enquanto tal comitiva se dedica a passeios e arruaças de rua em capital de outro país. Absurdo", escreveu.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos