Polícia Civil e MP prendem quatro suspeitos por furto de petróleo; PM é um dos líderes da quadrilha

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
De acordo com as investigações, um dos alvos da ação é um agente da Polícia Militar, o capitão Marcelo Queiroz dos Anjos (Foto: Divulgação/Reprodução/TV Globo)
De acordo com as investigações, um dos alvos da ação é um agente da Polícia Militar, o capitão Marcelo Queiroz dos Anjos (Foto: Divulgação/Reprodução/TV Globo)

A Polícia Civil e o Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) prenderam, nesta terça-feira (2), quatro suspeitos de integrar uma quadrilha especializada em furto de petróleo diretamente de dutos da Transpetro/Petrobras. Os agentes cumprem cinco mandados de prisão e 14 de busca e apreensão.

De acordo com as investigações, um dos alvos da ação é um agente da Polícia Militar, o capitão Marcelo Queiroz dos Anjos. Lotado na Diretoria Geral de Pessoal da PM, o policial ainda não foi localizado e é considerado foragido.

Leia também

Um dos denunciados pelo MP, o empresário de Rolândia, no Paraná, Walmir Aparecido Marin, já havia sido preso em 2020 na operação Sete Capitães II. De acordo com a investigação, ele era o responsável por levar o combustível furtado até o interior do Paraná.

Outro responsável por coordenar o transporte do combustível, Gilson Cunha Júnior, foi um dos presos na operação. De acordo com o G1, o prejuízo com as perfurações realizadas pela organização criminosa é de aproximadamente R$ 2 milhões.

Desde 2015, foram 259 incidentes registrados de tentativas ou furtos consumados de combustível em dutos da Petrobras, de acordo com o jornal.

De acordo com as investigações, o petróleo subtraído no Rio de Janeiro era transportado para a cidade de Rolândia (Paraná), para adulteração e revenda.

Como funcionava o esquema

A investigação durou seis meses e começou após uma perfuração de dutos da Transpetro no município de Guapimirim, em junho de 2020. Os agentes também identificaram perfurações para furto de petróleo em Nova Iguaçu e em Queimados, também na Baixada Fluminense.

Nestes municípios, foram furtados, respectivamente, 47 mil litros e 21 mil litros de petróleo, totalizando 169, 5 mil litros do combustível em três roubos diferentes.

De acordo com o jornal, em Queimados, os criminosos chegaram a construir um túnel subterrâneo para acessar o duto e também alugaram uma retroescavadeira para abertura de uma via de acesso para caminhões tanque para retirar o petróleo.

A ação é comandada por agentes da DDSD e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).