Polícia Civil pede prisão do padre Robson por suspeita de desvio de dinheiro doado por fiéis

·2 min de leitura
(Foto: Reprodução)
Padre Robson teve a prisão pedida pela Polícia Federal ao STJ (Foto: Reprodução)
  • Polícia Federal pediu a prisão de padre Robson de Oliveira

  • Ele é investigado por desviar verbas de instituição para a qual fiéis doavam dinhero

  • Investigação está paralisada no Supremo Tribunal de Justiça

A Polícia Federal fez um pedido ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) de prisão contra o padre Robson de Oliveira, investigado por suspeita de desvio de dinheiro da Associação Filhos do Pai Eterno, em Trindade (GO). A informação foi revelada pelo portal g1.

O padre Robson nega as irregularidades. A situação é apurada há meses, mas as investigações foram suspensas após decisão judicial.

Segundo a defesa do religioso, os fatos usados para fazer o pedido de prisão são antigos e uma detenção seria injustificada. Os advogados responsáveis entraram com uma representação contra o pedido da Polícia Federal.

Padre Robson é investigado desde que era reitor do Santuário Basílica do Divino Pai Eterno. Ele teria criado associações para desviar doações de fiéis, chegando a embolsar R$ 100 milhões. O dinheiro teria sido usado para comprar fazendas, casa na praia e até avião, de acordo com o Ministério Público.

As investigações revelaram áudios do padre para advogados sobre um suposto pagamento de propina aos desembargadores do Tribunal de Justiça de Goiás, no valor de R$ 1,5 milhão, para que eles decidissem em favor do religioso em um processo envolvendo a fazenda comprada pela associação do padre. Depois da divulgação dos áudios, o caso foi encaminhado ao STJ.

Em outubro de 2020, o TJ interrompeu as investigações. O argumento usado é de que os crimes apontados pelos promotores não estavam presentes. O STJ manteve a investigação bloqueada. Segundo o g1, o MP recorreu da decisão.

Vaticano sabia de suspeitas

A sede da Igreja Católica e residência oficial do Papa, o Vaticano, já tinha conhecimento das denúncias contra o padre Robson de Oliveira Pereira, fundador e presidente da Associação dos Filhos do Pai Eterno (Afipe), em Goiás, investigado por supostos desvios de dinheiro de fiéis de todo país.

Segundo o delegado Alexandre Pinto Lourenço, superintendente de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado da Secretaria de Segurança Pública de Goiás (SSP-GO), o Vaticano acompanhava de perto as denúncias contra o padre.

"Eles [o Vaticano] narraram que já tinham ciência e que estavam acompanhando as denúncias. Pelo que percebemos, eles tinham um conhecimento avançado da situação”, afirmou o delegado.

No entanto, segundo ele, nada foi dito às autoridades. “Não nos disseram se havia em curso alguma investigação interna pelo Vaticano", concluiu.

Segundo Lourenço, os possíveis atos ilegais praticados pelo padre com o dinheiro doado por fiéis de todo Brasil chegaram ao Vaticano por meio de pessoas de dentro da Igreja Católica.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos