Polícia decide não indiciar empresário acusado de agredir mulher em academia

Polícia decidiu não indiciar empresário - Foto: Reprodução/TV Globo
Polícia decidiu não indiciar empresário - Foto: Reprodução/TV Globo
  • Polícia decidiu não indiciar o empresário acusado de agredir e cuspir em uma mulher em uma academia

  • Caso aconteceu no início do mês e foi registrado por câmeras de segurança

  • Para o delegado responsável, tratam-se de "de crimes de menor potencial ofensivo"

A Polícia Civil concluiu o inquérito e decidiu não indiciar o empresário acusado de agredir e cuspir em uma mulher em uma academia de luxo em São Paulo.

Elaborado pelo 15º DP, o inquérito foi encaminhado à Justiça e ao Ministério Público, que, agora, decide se arquiva o denuncia Thiago Brennand Fernandes Vieira pelo caso ocorrido no início do mês.

Durante o processo, foram ouvidas testemunhas, a vítima, professores da academia, além do próprio empresário, que disse que a mulher fazia exercícios em local inadequado e foi alertá-la para que procurasse outro ambiente.

Ainda segundo o relato, a mulher teria negado, ofendido Thiago e até cuspido no empresário, que “teve o impulso de cuspir de volta e empurrá-la para trás”.

Segundo outros depoimentos, porém, foi o empresário quem mandou a vítima "sair da frente" na data em questão. Ao negar a "ordem", a mulher teve os braços apertados, os cabelos puxados e recebeu cusparadas do suspeito, que a empurrou. Ela também foi chamada de "p... e vagabunda" por um jovem, que seria filho de Thiago.

SSP explica decisão

Em nota divulgada pelo g1, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP) explicou que o delegado responsável pelo caso decidiu não indiciar o empresário por se tratar "de crimes de menor potencial ofensivo".

Thiago era investigado por lesão corporal, injúria e ameaça. Ao longo da vida, porém, o empresário foi alvo de processos por diversos delitos, como assédio, agressão, entre outros.