Polícia descobre 29 milhões de doses da vacina AstraZeneca/Oxford escondidas na Itália

Redação Notícias
·4 minuto de leitura
People fill in forms prior to being administered a dose of the AstraZeneca vaccine against COVID-19, inside the convention center known as
No primeiro lote, o Brasil recebeu 1.022.400 de doses do imunizante da Oxford/AstraZeneca fabricado na Coreia do Sul. O Ministério da Saúde afirmou ainda que mais 1,9 milhão de doses devem chegar até o final de março. (Foto:AP Photo/Andrew Medichini)
  • Polícia descobre 29 milhões de doses da vacina AstraZeneca/Oxford em um armazém em Roma

  • Quantidade é maior do que imunizantes entregues à União Europeia

  • AstraZeneca afirmou que quase metade dessas doses seriam destinadas aos países do consórcio global Covax Facility, do qual o Brasil faz parte

A polícia italiana descobriu que 29 milhões de doses da vacina contra a Covid-19 da AstraZeneca/Oxford eram mantidas em um armazém em Roma, na Itália. O número de imunizantes encontrados nesta quarta-feira (24) é maior do que a quantidade recebida por toda União Europeia. As informações são do jornal italiano La Stampa.

Nas últimas semanas, após suspensão da vacinação em 13 países europeus após serem registrados casos de trombose e embolia entre vacinados pelo imunizante, a AstraZeneca vem encontrando dificuldades para cumprir o cronograma de entregas estabelecidos na europa. 

Leia também:

Segundo o jornal La Stampa, a farmacêutica havia prometido mais de 90 milhões de doses no primeiro trimestre deste ano. Porém, esse número foi atualizado duas vezes. Na primeira, passou para 30 milhões de doses até o final de março. Mas, até o momento,só chegaram 17 milhões de doses.

De acordo com as autoridades europeias, a farmacêutica estava tentando exportar as doses para o Reino Unido sem o conhecimento europeu, pois a AstraZeneca continua a cumprir o contrato estabelecido com os britânicos.

O galpão onde as vacinas foram encontradas pertence a empresa Catelent, que opera na área de produção de medicamentos, de acordo com o jornal La Stampa.

Invetigações começaram após suspeitas de irregularidades

As investigações da polícia começaram após suspeitas de irregularidades devido aos dados fornecidos pela farmacêutica sobre o número de doses em produção e os dados das vacinas que seriam realmente entregues.

Segundo o jornal New York Times, a União Europeia afirma não ter encontrado evidências de que as vacinas seriam exportadas para o Reino Unido. 

A health worker holds a vial of the AstraZeneca vaccine to administer, during a mass vaccination campaign at Wanda Metropolitano stadium in Madrid, Spain, Wednesday, March 24, 2021. Spain resumed the use of the AstraZeneca vaccine on Wednesday by extending it to adults up to 65 years old. (AP Photo/Manu Fernandez)
O Brasil recebeu a primeira remessa de vacinas do consórcio global Covax Facility no domingo (21). No primeiro lote, o Brasil recebeu 1.022.400 de doses do imunizante da Oxford/AstraZeneca fabricado na Coreia do Sul. O Ministério da Saúde afirmou ainda que mais 1,9 milhão de doses devem chegar até o final de março. (Foto: AP Photo/Manu Fernandez)

Ainda segundo o jornal, a AstraZeneca garantiu que das 29 milhões de doses encontradas, 16 milhões seriam para a União Europeia e as outras 13 milhões seriam destinadas para os países que estão no programa Covax, que prevê dar vacinas aos países com maiores dificuldades.

O Brasil recebeu a primeira remessa de vacinas do consórcio global Covax Facility no domingo (21). No primeiro lote, o Brasil recebeu 1.022.400 de doses do imunizante da Oxford/AstraZeneca fabricado na Coreia do Sul. O Ministério da Saúde afirmou ainda que mais 1,9 milhão de doses devem chegar até o final de março.

Empresa contratada produzia doses sem saber o destino final

As investigações da polícia, segundo o jornal italiano, apontam que muitas das doses foram produzidas pela Halix, empresa subcontratada pela AstraZeneca para produzir vacinas nos Países Baixos — foram embaladas na Catalen, empresa dona do armazém onde as doses foram achadas.

Mario Gargiulo, Presidente da Catalent, afirma que a empresa não tem conhecimento de qual o destino das doses que armazena e que só as envia para a sede da AstraZeneca na Bélgica, que faz a distribuição.

Autoridades criticam farmacêutica

Em declarações à Bloomberg, a fonte europeia deixou críticas à farmacêutica, dizendo que, quando pressionada, a empresa é capaz de entregar vacinas em maiores quantidades.

Segundo o La Stampa, o lote encontrado pela polícia ainda não tem a aprovação da Agência Europeia do Medicamento para uso comunitário.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

O deputado alemão Manfred Weber foi ao Twitter, nesta quarta-feira (24), pedir “explicações urgentemente”. "AstraZeneca acumular vacina na Itália é inaceitável, dada a escassez", disse.

Procurada pelo Yahoo! Notícias, a AstraZeneca não se manisfestou até a publicação desta matéria.