Polícia Federal assume investigação de ataque em Araçatuba

·3 minuto de leitura
Cars burnt during a bank robbery are seen in Aracatuba, a city some 520 km from Sao Paulo, Brazil, on August 30, 2021. - A heavily armed group of bank robbers wreaked havoc across the southeastern Brazilian city of Aracatuba early Monday, striking three banks, setting fire to vehicles and tying hostages to their getaway cars, in an assault that left at least three people dead, officials say. (Photo by Lazaro Jr. / Hojemais Aracatuba / AFP) (Photo by LAZARO JR./Hojemais Aracatuba/AFP via Getty Images)
Criminosos deixaram carros queimados e bombas antes da fuga. Foto: LAZARO JR./Hojemais Aracatuba/AFP via Getty Images
  • Quadrilha assaltou três bancos na madrugada de segunda-feira

  • Mortes também serão investigadas pela PF

  • Agentes de cidades da região serão convocados

O ataque a bancos em Araçatuba na madrugada de segunda-feira (30), que deixou três mortos e cinco feridos, será agora investigado pela Polícia Federal.

A PF assume o caso, pois dois dos bancos invadidos são ligados ao governo federal - Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal. As mortes também serão investigadas pela instituição.

Leia também:

Participarão da força-tarefa que irá identificar e prender a quadrilha policiais federais das cidades de Marília, Presidente Prudente e Sorocaba.

Além disso, a polícia de Mato Grosso do Sul prontificou um reforço no policiamento, caso haja tentativa de fuga dos criminosos para o estado, mas a polícia de São Paulo afirma que não há indícios de fuga para outros estados no momento.

Ao menos 20 pessoas participaram da operação criminosa. O grupo chegou à região central de Araçatuba por volta da meia-noite de segunda-feira.

A quadrilha fortemente armada utilizou explosivos para atacar três agências bancárias da região. Para dificultar o trabalho da Polícia Civil, fez um escudo humano e espalhou outros artefatos por cerca de 20 pontos da cidade.

Três suspeitos de envolvimento na madrugada de crimes foram presos até o momento. Um quarto ainda foi morto em confronto armado com a polícia na área rural de Araçatuba.

Entenda o crime

Araçatuba, no interior de São Paulo, viveu madrugada de terror nesta segunda-feira (30). Uma quadrilha fortemente armada atacou três agências bancárias no centro da cidade. Três pessoas morreram, de acordo com a Polícia Civil: dois moradores e um dos criminosos.

Depois de atacar os locais, o grupo abordou pedestres e os fez de reféns. Vídeos que circulam nas redes sociais mostram algumas vítimas sendo usadas como "escudo humano" nos capôs dos carros. Há também registros de tiros sendo disparados pelos criminosos, que também cercaram bases da Polícia Militar e viaturas.

De acordo com o G1, o grupo teria utilizado até um drone para monitorar a ação dos policiais. Entradas da cidade foram fechadas para dificultar o acesso de reforço policial ao local, inclusive com veículos queimados.

O grupo invadiu três agências. Uma que funcionava como tesouraria regional, onde o grupo teve acesso a cofres subterrâneos, outra onde assaltaram apenas os caixas e a terceira foi apenas danificada. O valor total levado não foi divulgado.

Vítimas

Após os assaltos, os criminosos fugiram em direção ao bairro Engenheiro Taveira, onde roubaram carros de moradores. A ação deixou dois moradores e um integrante da quadrilha mortos.

Uma das vítimas é o Márcio Victor, personal trainer e filho de um investigador da Polícia Civil. A outra é o comerciante Renato Bortolucci, dono de um posto de combustíveis.

Já o criminoso morto era Jorge Carlos de Melo, de 39 anos, segundo a Polícia Militar.

O crime deixou também cinco homens feridos, incluindo um jovem que teve os pés amputados por um explosivo deixado pelos criminosos.

Araçatuba nesta terça-feira

Mesmo após o fim do assalto, Araçatuba seguiu em alerta por conta dos explosivos espalhados pelos criminosos pela cidade. Na manhã desta terça-feira (31), policiais do Gate seguem realizando uma varredura em busca dos explosivos.

De acordo com o secretário de Segurança Pública, general João Camilo Pires de Campos, são 40 explosivos para serem desativados.

Além disso, a região central da cidade está interditada, aulas estão suspensas e rotas de ônibus foram alteradas. A vacinação contra covid-19 também foi afetada, já que houve paralisação da distribuição de vacinas na cidade e em municípios vizinhos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos