Polícia indicia 6 pessoas pela morte de João Alberto no Carrefour

·2 minuto de leitura
Advogada e integrante da Coalizão Negra Por Direitos avalia ainda que casos como o do Carrefour ocorrem por falta de um processo rígido na contratação de empresas de segurança privada
Advogada e integrante da Coalizão Negra Por Direitos avalia ainda que casos como o do Carrefour ocorrem por falta de um processo rígido na contratação de empresas de segurança privada (Foto: Agência Brasil)

A Polícia Civil indiciou nesta sexta-feira (11) seis pessoas pela morte de João Alberto Silveira Freitas, 40, cliente negro que foi espancado por seguranças de uma loja do Carrefour em Porto Alegre, no dia 19 de novembro. Todos foram indiciados por homicídio triplamente qualificado.

Entre os seis estão o ex-PM temporário Giovane Gaspar da Silva e o segurança Magno Braz Borges, que foram fimados agredindo Betos, e a agente de fiscalização Adriana Alves Dutra, que acompanhou toda a ação e ainda tentou impedir que um funcionário registrasse a cena com o celular.

Leia também

Os seguranças foram presos no dia do crime, enquanto Adriana foi detida cinco dias depois. Segundo os políciais, os outros três homens indiciados também são funcionários da loja e dois deles tiveram participação menor no caso.

De acordo a polícia, que deu coletiva de imprensa no Palácio da Polícia, sede da Polícia Civil de Porto Aelgre, o inquérito foi concluído hoje e encaminhado à Justiça. Foram ouvidas mais de 40 pessoas durante o processo.

RELEMBRE O CASO

João Alberto Silveira Freitas, 40 anos, morto após ser espancado por seguranças do Carrefour
João Alberto Silveira Freitas, 40 anos, morto após ser espancado por seguranças do Carrefour (Foto: Reprodução)

De acordo com a Polícia Militar gaúcha, o espancamento começou depois de um desentendimento entre a vítima e uma funcionária do mercado, localizado na zona norte da capital gaúcha. Segundo a polícia, a vítima teria ameaçado bater na funcionária, que chamou a segurança. Há, no entanto, outra versão de testemunhas que alegam que a vítima foi perseguida no estabelecimento.

Segundo a esposa dele, Milena Borges Alves, 43, o casal foi ao supermercado para comprar ingredientes para um pudim de pão e adquirir verduras. Ela conta que ficaram poucos minutos no Carrefour e que Beto saiu na frente em direção ao estacionamento. Ao chegar ao local, Milena se deparou com o marido se debatendo no chão. Ele chegou a pedir ajuda, mas a esposa foi impedida de chegar perto dele.

O caso aconteceu no dia 19 de novembro, véspera do Dia da Consciência Negra.

As imagens da agressão foram gravadas e viralizaram nas redes sociais. Internautas revoltados pediam punição ao Carrefour. A gravação mostra Beto desferindo um soco no PM temporário, o que é seguido por chutes, pontapés e socos do segurança e do PM temporário.

A maior parte das imagens mostra a imobilização com uso da perna flexionada do segurança sobre as costas de Beto. O Samu foi acionado, mas Beto não resistiu às agressões.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos