Polícia investiga abate de 3 onças-pintadas em Mato Grosso; assista

Homem posa ao lado de animais abatidos (Foto: Reprodução)

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Vídeo de animais na carroceria de uma caminhonete viralizou

  • Na gravação, mulher parabeniza homem que matou os animais

As autoridades de Cocalinho (MT), a 850 km de Cuiabá, investigam um vídeo que circula pelas redes sociais mostrando três onças-pintadas mortas na carroceria de uma caminhonete. No momento, a Polícia Civil e o ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação e da Biodiversidade) trabalham para identificar as pessoas que aparecem na gravação.

Os três animais que aparecem no vídeo parecem ser uma mãe e dois filhotes, abatidos violentamente. A mulher que está filmando parabeniza dos suspeitos do crime, identificado como “Carrapicho”. Ele conta que as três onças-pintadas estavam em cima de uma árvore, e que chegou a sentir medo quando as viu.

Leia também

Uma página chamada Instituto Onça-Pintada publicou o vídeo com a legenda “O conflito entre onças e seres humanos tem sido uma tragédia para nosso símbolo da biodiversidade”. A publicação já tem mais de 2,3 mil comentários e 3,8 mil visualizações:

O caso está sendo investigado desde que a Polícia Civil de Cocalinho recebeu as imagens, na terça-feira (12). O delegado Valmon Pereira da Silva diz à Agência Estado que, pelo vídeo, é difícil identificar o local onde foi feita a gravação.

Quem encaminhou a gravação para o ICMBio foi Douglas Trent, da ONG Bichos do Pantanal. Na quarta-feira (13), o Instituto o informou que as investigações do caso foram abertas e as imagens foram divulgadas para todos os escritórios do órgão.

O projeto Onças do Iguaçu também reagiu ao vídeo no Instagram: "As onças-pintadas estão ameaçadas. Nossa espécie está pouco a pouco invadindo seus habitats, tomando para si seus espaços e deixando esses animais cada vez mais encurralados em áreas pequenas, que geralmente não são adequadas para sua sobrevivência. Acabamos com suas presas e muitas vezes isso acaba levando as onças a se alimentarem de animais domésticos, e aí são abatidas em retaliação.”