Polícia investiga queda de bebê durante parto em maternidade: “Negligência”, diz mãe

Queda de bebê foi registrada em boletim de ocorrência - Foto: Getty Images
Queda de bebê foi registrada em boletim de ocorrência - Foto: Getty Images
  • Queda de bebê foi registrada pelo pai em boletim junto à polícia

  • Mulher acusa maternidade de negligência no atendimento no momento do parto

  • Recém-nascida precisou passar por cirurgia e levou 11 pontos na cabeça

A Polícia Civil de Belo Horizonte investiga a queda de uma bebê durante o parto em uma maternidade da capital mineira. O episódio aconteceu no último dia 6 e feriu a recém-nascida.

A filha de Josiane Marques Pereira nasceu na recepção da maternidade Sofia Feldman, no bairro Tupi, e imediatamente caiu de cabeça no chão.

O impacto fez com que a recém-nascida sofresse traumatismo craniano. Ela precisou passar por cirurgia e levou 11 pontos na cabeça. Dois dias depois, seu pai registrou boletim de ocorrência na delegacia.

"A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) instaurou procedimento para apurar o caso. A investigação tramita na Delegacia Especializada na Proteção da Criança e do Adolescente", explicou a polícia em nota ao G1.

De acordo com o boletim registrado pelo rapaz, Josiane foi à maternidade no dia 6 após sentir contrações. A mulher pediu ajuda ao chegar ao local, mas foi informada de que teria de esperar 40 minutos pelo atendimento.

Momentos depois, uma enfermeira apareceu e disse que ela teria de andar até o quarto. Josiane afirmou que não tinha condições porque a criança já estava nascendo, mas, foi obrigada a levantar-se.

Quando caminhava para o quarto, a bebê nasceu e caiu direto no chão. Ela foi encaminhada ao Hospital João XXIII, onde passou por cirurgia, e, posteriormente, ao Hospital João Paulo II, para recuperação.

Mãe acusa maternidade de negligência

Em contato com o G1, Josiane explicou não ter dúvidas de que o caso foi resultado de negligência da maternidade.

"Estamos tentando ficar bem o máximo possível, a minha filha precisa de muito cuidado e atenção, estamos tentando manter a calma. Foi uma negligência o que fizeram, uma bebezinha passar por isso tão nova", declarou.

A mulher relatou que não foi procurada por ninguém da instituição e sequer recebeu o prontuário quando foi requisitado.

"Eu pedi o prontuário e eles disseram que precisam de alguns dias. Ninguém me procurou. Preciso de tudo documentado para saber o que aconteceu e exigir providências."

Passados 10 dias do pesadelo, a recém-nascida já está em casa e continua se recuperando. "Nosso foco é ela, cuidar dela e manter a calma", disse Josiane.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos