Polícia mantém prisão de homem com CAC que matou ex e filho de 2 anos

CAC assassina ex e filho em São Paulo - Foto: Reprodução/Câmera de Segurança
CAC assassina ex e filho em São Paulo - Foto: Reprodução/Câmera de Segurança

A Justiça decretou a prisão preventiva de Ezequiel Lemos Ramos, de 38 anos, por assassinar a ex-esposa Michelli Nicolich, de 37 anos, e o filho caçula de 2 anos de idade em frente a uma escola na Zona Leste de São Paulo. O crime aconteceu nesta segunda-feira (12) e foi registrado por câmeras de segurança no local. O autor dos disparos possui certificado de colecionador de armas, atirador desportivo e caçador (CAC).

A Polícia Civil pediu a prisão de Ezequiel por considerá-lo perigoso. Como ele possui o registro para porte de armas, ele poderia ameaçar a família da ex-mulher. Ele já possuía histórico de violência contra a ex-esposa.

Ezequiel estava com uma carabina em mãos no momento em que atirou, e arma é procurada pela Polícia Civil. Há suspeita de que outra pessoa teria ajudado o homem a esconder a arma. Porém, a casa do colecionador de armas tinha um carregador de carabina e 31 munições calibres 9 mm, apreendidas pela polícia.

"[Ezequiel] não está falando coisa com coisa, mas com ele tinha um documento de uma arma que, aparentemente, é a arma que ele usou no crime. Só que, no momento em que ele foi detido pelo policial, houve uma grande aglomeração de populares, e a arma sumiu. Nós estamos apurando e tentando localizá-la", afirmou o delegado sobre a arma do crime.

O crime

Uma câmera de segurança na Avenida Rodolfo Pirani, no Parque São Rafael, registrou em imagens o momento em que Ezequiel Lemos Ramos perseguiu e atirou repetidas vezes no Fiat Uno branco em que estavam Michelli Nicolich, de 37 anos, e os dois filhos do casal, de 2 e 5 anos.

Após ser baleada, a mulher perdeu o controle do veículo e chocou-se contra um poste. Ezequiel seguiu o veículo a pé, aproximou-se e disparou novamente.

De acordo com informações do g1, o criminoso é estudante de Medicina e está no quarto ano do curso. Ele viveu por cinco anos em Ponta Porã, Mato Grosso do Sul, cidade que faz divisa com Pedro Juan Caballero, cidade paraguaia onde o rapaz estudava.