Ex-lutador é preso por matar esposa e jogar corpo no córrego em SP

Ex-lutador preso foi flagrado por câmeras tirando corpo da vítima em um carrinho de supermercado - Foto: Reprodução/TV Globo
Ex-lutador preso foi flagrado por câmeras tirando corpo da vítima em um carrinho de supermercado - Foto: Reprodução/TV Globo

O marido da professora de 26 anos que foi encontrada morta no Parque do Carmo, Zona Leste de São Paulo, na manhã da última segunda-feira (7), foi preso pela Polícia Civil de SP nesta quarta-feira (9).

Segundo a investigação, Luis Paulo Lima dos Santos, que é ex-lutador profissional e dono de uma academia, saiu do apartamento com o corpo da vítima em um carrinho de compras que aparece nas câmeras de segurança do prédio onde eles moravam juntos.

O ex-lutador foi preso pelo feminicídio de Ellida Tuane Ferreira da Silva Santos, que havia desaparecido no último sábado (5), quando fez contato com a família pela última vez.

O delegado do caso, Bruno Cogan, informou que aparentemente a motivação do crime teria sido ciúmes.

“Há indícios de que seria por motivo de ciúmes, mas ainda precisa ser apurado com profundidade”, disse o delegado.

Câmeras de segurança do elevador do prédio mostram a última imagem da professora, ainda viva. Na sexta-feira, às 21h30, ela chega ao prédio na Vila Matilde, Zona Leste de São Paulo, e sobe para o apartamento.

No dia seguinte, pouco antes das 21h, o marido, Luis Paulo, apareceu no saguão. Ele leva um carrinho de compras vazio. Quatro minutos depois, o lutador reaparece e entra no elevador com o carrinho com lençóis. Segundo as investigações, nele estava o corpo da mulher, sob os tecidos.

O ex-lutador, então, vai para a garagem do prédio e deixa o que seria o corpo no carro. Ele só saiu do prédio na madrugada do domingo e voltou para o apartamento quatro horas depois, carregando o filho do casal, de seis meses.

O corpo da professora foi encontrado por policiais militares em um saco plástico à beira de um córrego, em Itaquera, também na Zona Leste.

Apesar de os vizinhos do prédio terem dito aos investigadores que ouviram barulhos de tiros na sexta-feira, nenhum deles chamou a polícia.

Luis disse nesta quarta para o delegado que fez quatro disparos. Há marcas de tiros no corpo da mulher.

O marido da professora, ainda tentou esconder o crime, fazendo um boletim de ocorrência de desaparecimento, quase na mesma hora em que a polícia encontrava o corpo da vítima. Ele disse que a mulher tinha viajado,

"Ela saiu com destino a Campinas, enviou a última mensagem às 19h51 dizendo que estava somente com 5% de bateria. Às 22h39 enviei mensagem novamente e não foi visualizada e ligações encaminhadas direto para a caixa postal. Em contato com a minha cunhada e a mãe da desaparecida informaram que ela não chegou em suas casas em Campinas."

O ex-lutador também declarou que “foi até Campinas, à rodoviária, à delegacia e ao hospital procurando informações e não conseguiu”.

A vítima e o marido eram casados havia um ano. Os policiais ainda procuram a arma do crime.