Polícia tenta identificar quem vendeu “kit aborto” a grávida que morreu após aplicar injeção

·2 min de leitura
Mãe de Ana lamentou a morte nas redes sociais - Foto: Reprodução/Facebook
Mãe de Ana lamentou a morte nas redes sociais - Foto: Reprodução/Facebook
  • Ana Carolina morreu após aplicar uma substância para interromper uma gravidez de 7 meses

  • O namorado da jovem de 20 anos foi preso, mas responderá ao processo em liberdade

  • A polícia tenta descobrir quem vendeu o "kit aborto" e qual foi a substância injetada pela vítima

A Polícia Civil investiga o responsável pela venda da substância abortiva que culminou na morte de Ana Carolina Pereira Pinto, de 20 anos. O corpo da jovem foi encontrado pelos pais no início da semana na cidade de Votorantim, interior de São Paulo.

De acordo com o delegado responsável pelo caso, José Antônio Proença Martins de Melo, o vendedor pode ser responsabilizado pelo crime de aborto com o consentimento da gestante. A polícia também tenta descobrir qual substância foi utilizada por Ana Carolina.

A substância ainda é desconhecida e com o resultado do aborto, o vendedor pode ser responsabilizado”, explicou ao G1. “No caso, foi procurada a clandestinidade e havia o medo, porque o caso viria à tona.”

O vendedor ainda pode ser indiciado por outros crimes, caso a polícia descubra que tratava-se de um medicamento estrangeiro e não autorizado pela Anvisa.

A investigação aguarda o laudo do Instituto Médico Legal (IML) sobre o corpo de Ana Carolina. Também serão avaliados um exame toxicológico, a perícia do local e o celular da jovem.

Relembre o caso

Ana Carolina morreu após aplicar uma substância abortiva na barriga para interromper uma gestação de 27 semanas. Ela havia comprado o “kit” pela internet, por R$ 1,4 mil.

O namorado dela, Kevin Williams, de 22 anos, foi preso em flagrante, mas será investigado em liberdade. A jovem morava com os pais, que não sabiam da gestação.

Em depoimento, Kevin contou que o casal se relacionava há dois anos e descobriu recentemente que Ana Carolina estava grávida. Após debaterem, eles teriam chegado a um consenso sobre a interrupção da gravidez, pela pouca idade e “pouca experiência”.

Os jovens viajaram para uma pousada em Sorocaba, onde fizeram a aplicação da substância. No dia seguinte, porém, a garota relatou ao namorado estar sentindo fortes dores.

Ao longo do dia, o incômodo foi piorando e Ana contou a Kevin: “Parece que minha barriga vai explodir”.

A vítima revelou ao namorado o desejo de contar aos pais o que estava acontecendo, mas foi aconselhada a não fazer isso. Por volta das 4 horas, a mãe de Ana Carolina ligou para Kevin para contar que a jovem estava morta.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos