Policiais matam 5 suspeitos em troca de tiros em favela do Rio de Janeiro, diz polícia

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Uma troca de tiros entre policiais e suspeitos de ligação com o tráfico de drogas deixou ao menos cinco mortos na região da favela de Manguinhos, na zona norte do Rio de Janeiro, nesta terça-feira, de acordo com a Polícia Civil.

Os confrontos começaram, segundo a polícia, após homens armados atirarem contra uma equipe do esquadrão antibombas que passava pelo local. A tropa de elite da Polícia Civil foi então acionada, e os conflitos se intensificaram.

Todos os mortos eram suspeitos de envolvimento com o tráfico, de acordo com a polícia. Eles chegaram a ser levados para uma unidade de saúde da região, mas não resistiram aos ferimentos, de acordo com a corporação.

“A direção da UPA Manguinhos informa que cinco pessoas baleadas deram entrada na unidade na manhã desta terça-feira. Todas foram a óbito”, informou a Secretária de Saúde do Rio.

Um outra morte que poderia estar ligada ao conflito está em investigação.

Dois suspeitos foram presos, um deles com sete anotações criminais e o outro por estar com grande quantidade de drogas, segundo a polícia.

O intenso tiroteio causou o fechamento temporário de uma estação de trem e de parte do comércio da região de Manguinhos.

O local onde houve o confronto é palco de constantes conflitos entre policiais e suspeitos de envolvimento com o tráfico, o que levou o local a ser conhecido como "Faixa de Gaza". De acordo com a polícia, um policial militar foi morto recentemente no local ao ser atingido por um tiro na cabeça durante patrulhamento.

Na operação desta terça-feira, a polícia disse que apreendeu uma "grande quantidade" de drogas, além de uma granada, seis pistolas, diversos carregadores, munições, rádios transmissores e roupas camufladas.

(Por Rodrigo Viga Gaier)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos