Policial Civil acusada de assassinar estudante no RJ visitou vítima no trabalho

·1 min de leitura
Câmeras flagraram Carla Patrícia Novaes da Silva Melo no trabalho da vítima um dia antes do crime - Foto: Reprodução
Câmeras flagraram Carla Patrícia Novaes da Silva Melo no trabalho da vítima um dia antes do crime - Foto: Reprodução

Câmeras de segurança gravaram a inspetora da Polícia Civil, Carla Patrícia Novaes da Silva Melo, no dia 25 de novembro na autoescola onde Isadora Calheiros Gomes, estudante de Direito, trabalhava. 

No dia seguinte, a estudante foi assassinada com um tiro disparado pela agente após uma discussão, em Queimados, região metropolitana do Rio de Janeiro.

Carla Patrícia Novaes da Silva Melo teve a prisão preventiva decretada pelo Tribunal do Júri da Comarca da cidade e é considerada foragida.

 De acordo com o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), Isadora foi até a casa da policial no dia do assassinato. Carla estaria armada ao receber a vítima, que chegou a ser levada para uma Unidade de Pronto Atendimento.

O MPRJ também afirma que a vítima manteve um relacionamento de um ano com o marido de Carla. O marido teria usado o nome de Isadora para abrir uma empresa de proteção veicular. Além de utilizar as economias e crédito da estudante para erguer o negócio. A policial teria descoberto a traição no início de 2021.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos