Policial é presa no MA após se recusar a fazer hora extra por precisar amamentar o filho

·2 minuto de leitura
Tatiane foi levada para a delegacia após o episódio - Foto: Arquivo Pessoal
Tatiane foi levada para a delegacia após o episódio - Foto: Arquivo Pessoal
  • Policial militar estava há seis horas, de pé, sem alimentação ou descanso

  • Ela pediu para deixar o local pois precisava amamentar seu filho, mas ouviu um tenente dar voz de prisão

  • A mulher já havia sofrido com assédio de superiores em uma experiência anterior no Maranhão

Uma policial militar foi presa em São Luís após se recusar a fazer hora extra em um evento no centro histórico da capital maranhense. Tatiane Alves desobedeceu as ordens de seu comandante por precisar amamentar o filho.

O caso foi divulgado pelo G1, que explicou que a mulher já havia ficado seis horas consecutivas de pé, sem descanso nem alimentação, no último dia 5 de setembro. Apesar do término de seu turno, ela recebeu ordem de um superior para que permanecesse no posto.

Leia também

Mas, além de policial, Tatiane é mãe de uma criança de dois anos que ainda mama no peito e precisava de seu leite. A mulher argumentou e, sem conseguir convencer seu comandante, decidiu ir embora por conta própria.

“Fui informada que o policiamento seria estendido até o término do evento, que a gente não sabia até que horário. Eu já estava sem condições físicas de permanecer, eu já estava cansada e não tinha tudo nenhum tipo de alimentação. Eu estava com meu filho pequeno, que precisava de amamentação. Eu fui até o meu comandante imediato, expliquei a situação e, infelizmente, ele não me ouviu. Simplesmente, disse que, se eu não cumprisse a determinação dele, eu seria presa em flagrante por desobediência”, contou.

A ameaça não impediu que Tatiane deixasse o local, ao que o tenente Mário Sérgio Oliveira Brito respondeu dando-lhe voz de prisão. A cena da mãe sendo levada na viatura foi filmada pelo marido dela.

“Fui conduzida por desobediência, só fui solta com o alvará de soltura. Me surpreendeu porque, junto com o alvará, veio um ofício solicitando a minha transferência do batalhão, infelizmente”, comentou.

Tatiane sofreu com assédio de superiores

Tatiane já havia sofrido com o comportamento de um superior quando trabalhava na cidade de Imperatriz, no interior do estado. Na ocasião, ela denunciou publicamente os assédios que vinha sofrendo dentro da Polícia Militar, o que fez com que fosse transferida para a capital.

“Eu fiz um curso de moto porque queria servir a sociedade de verdade. Assim que eu me formei, o antigo comandante do Esquadrão Águia falou para mim o seguinte. Que enquanto ele fosse comandante, eu não voltava pro esquadrão. Sabe por que? Porque eu sofri assédio sexual, entendeu? E eu não cedi pra ele”, lembrou.

Após o novo episódio, a policial pediu afastamento do batalhão e vem realizando tratamento psicológico. “Hoje eu não tenho mais condição de trabalhar porque eu não aguento mais esse lugar”, relatou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos