Policial federal é morto pela esposa com 50 facadas em Belo Horizonte

Policial aposentado foi morto pela esposa - Foto: Getty Images
Policial aposentado foi morto pela esposa - Foto: Getty Images
  • Policial federal foi morto com 50 facadas na própria casa em Belo Horizonte

  • A mulher tentou simular um latrocínio, mas acabou se entregando à polícia

  • Ela disse que agiu em legítima defesa após ser agredida pelo agente

A Polícia Militar prendeu na noite da última segunda-feira (8) uma mulher de 30 anos, responsável pelo assassinato do próprio marido, um policial federal aposentado, em Belo Horizonte.

De acordo com informações da corporação, divulgadas pelo g1, a vítima tinha 60 anos, também atuava como médico e foi morta com 50 facadas no último sábado (6), no bairro Olaria, Região do Barreiro.

A mulher confessou ter sido responsável pela morte do parceiro, mas alegou que agiu em legítima defesa. Ela própria foi responsável por acionar a polícia, dois dias após o episódio.

Identificada como Kenia Mara do Patrocínio Silva Santos, a esposa relatou que ela e o marido foram a um bar na Savassi no sábado. No local, o homem teria protagonizado uma cena de ciúmes e levado a mulher de volta para casa.

Quando chegaram à residência, o rapaz teria agredido Kenia física e verbalmente. Em certo momento, ele entrou no quarto nu, segurando duas facas, e exigiu que a mulher deitasse na cama.

Ao perceber uma distração do marido, a esposa pegou uma das facas e acertou o peito dele. O homem pediu que ela parasse, mas ela emendou uma sequência de cerca de 50 golpes, até que a vítima deixou de se mover.

Esposa tentou simular latrocínio

Após o crime, Kenia pegou itens valiosos do marido e arremessou em um córrego, com a intenção de simular um latrocínio. Ela chegou a fugir, mas, no domingo (7), foi convencida por um irmão a entrar em contato com um advogado.

Como considerou o valor muito alto, a mulher falou com um defensor público, que a orientou a contar a verdade à polícia. Ela, então, contatou a corporação e relatou o ocorrido.

A Polícia Civil assumiu a investigação do caso e constatou que Kenia já havia registrado dois boletins de ocorrência contra o marido.