Policial militar lutou com irmã antes de matá-la a tiros, diz marido

A policial militar Rhaillayne Oliveira de Mello, do 7º BPM, que foi acusada de homicídio por matar a própria irmã a tiros. (Foto: Reprodução)
A policial militar Rhaillayne Oliveira de Mello, do 7º BPM, que foi acusada de homicídio por matar a própria irmã a tiros. (Foto: Reprodução)

Antes de atirar e matar a própria irmã, a policial militar Rhaillayne Oliveira de Mello, 23 anos, entrou em luta corporal com a irmã após uma briga entre elas, em um posto de gasolina em São Gonçalo, no Rio de Janeiro.

A informação consta no depoimento do também policial Leonardo de Paiva Barbosa, marido de Rhaillayne, aos agentes da 73ª DP (Neves).

Segundo Leonardo, a mulher saiu de casa por volta das 20h30 ou 21h de sexta-feira (1º) para uma festa de família e regressou às 3h de sábado (2) para buscar algo no quarto, que suspeita que seja uma pistola. Mais tarde, a mãe de Rhailayne ligou dizendo que a filha tinha discutido com ela e com a irmã e estava nervosa.

De acordo com o policial, ele procurou pela mulher em bares na região e chegou a encontrá-la em um deles e, onde ela estava sozinha e se recusou a ir para casa, por isso, decidiu voltar sozinho.

Ainda de acordo com Leonardo, em seguida ele recebeu uma ligação da irmã, Rayana Melo, dizendo que a Rhailayne estava no posto de gasolina com sinais de embriaguez. Quando ele chegou no posto, as irmãs discutiram, entraram em luta corporal. Ele chegou a conseguir separá-las, mas houve nova briga e Rhailayne atirou e matou a irmã.

Rhaillayne foi presa pelo próprio marido e Rayana Mello morreu no local, ela que é policial do 7°BPM, foi encaminhada para a Delegacia de Homicídios de Niterói.

O pai das duas jovens, por volta das 10h, estava no local do crime conversando com os policiais. Muito abalado, ele evitou conversar com a imprensa.

O posto de gasolina fica na Rua Francisco Portela, 2.538, para onde o Corpo de Bombeiros foi acionado por volta das 8h. O local é conhecido como ponto de encontro de jovens e adultos, que colocam carro de som e passam a madrugada neste posto.

Neste domingo (3), Rhaillayne teve a prisão em flagrante convertida em preventiva.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos