Policial penal bolsonarista que matou dirigente petista em Foz do Iguaçu tem alta da UTI

O policial penal federal Jorge Guaranho teve alta da unidade de terapia intensiva (UTI) do Hospital Ministro Costa Cavalcanti, em Foz do Iguaçu. O agente foi indiciado por homicídio qualificado pela morte do dirigente petista Marcelo Arruda, em 10 de julho.

No inquérito concluído pela Polícia Civil do Paraná na semana passada, Guaranho foi indiciado por homicídio qualificado por motivo torpe. Porém, após pedidos do Ministério Público do Paraná e da família de Arruda, o juiz Gustavo Arguello, da 3ª Vara Criminal de Foz do Iguaçu (PR), determinou o retorno do inquérito à Polícia Civil. O magistrado solicitou aos investigadores o cumprimento de novas diligências.

O crime aconteceu na noite de 9 de julho. Arruda foi morto a tiros na própria festa de aniversário de 50 anos, que tinha como temas o PT e o ex-presidente Lula.

A Polícia Civil do Paraná concluiu o inquérito na semana passada e descartou motivação política no assassinato do tesoureiro do PT. Em nota, a instituição alegou que não há previsão legal para o enquadramento como “crime político”, já que a antiga Lei de Segurança Nacional foi revogada pela nova Lei de Crimes contra o Estado Democrático de Direito, que não possui qualquer tipo penal aplicável.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos