Policial que morreu em curso do Bope para operações de alto risco em favelas é enterrado no Rio de Janeiro

·1 minuto de leitura

Foi enterrado na tarde deste domingo (11), no cemitério Jardim da Saudade de Sulacap, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, o soldado da Polícia Militar Allan da Silva Vigna, de 32 anos. Segundo informações da PM, ele teve um mal súbito durante o Curso de Operações Especiais (Coesp), do Batalhão de Operações Especiais (Bope) na última sexta-feira (09), enquanto participava de uma travessia aquática em Ribeirão das Lajes, em Piraí, no Vale Paraíba.

Ainda de acordo com a corporação, Allan foi socorrido pela equipe de instrução de imediato, mas não respondeu aos estímulos dos procedimentos de primeiros socorros. Um inquérito policial militar foi instaurado para apurar todas as circunstâncias da morte do soldado.

Allan estava na PM há cinco anos e meio. No Bope, ele estava desde 2019, quando concluiu o Curso de Ações Táticas (CAT), necessário para ingresso no batalhão. Dessa forma, o Coesp estava sendo realizado por Allan como uma especialização dentro do próprio Bope. Com duração de seis meses, o curso habilita os policiais a participarem a operações de alto risco em favelas, selvas ou regiões montanhosas. Durante a instrução, que dura seis meses, os alunos são submetidos a situações extenuantes.

Um caso semelhante ao de Allan da Silva aconteceu em novembro de 2018. Carlos Henrique de Paula Nibbering, de 29 anos, sofreu mal súbito em um exercício de instrução do treinamento do Coesp realizado em Itaguaí, na Região Metropolitana do Rio. O cabo do Bope chegou a ser levado para o Hospital Municipal São Francisco Xavier, no mesmo município, mas morreu após uma parada cardíaca.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos