Político britânico causa inquietação ao sugerir possível guerra entre Espanha e Reino Unido por Gibraltar

Michael Howard pareceu sugerir que Theresa May está preparada para ir à guerra pelo controle de Gibraltar (Sean Gallup/Getty Images)

A sugestão de Michael Howard de que Theresa May, primeira-ministra do Reino Unido, estaria preparada para iniciar uma guerra por Gibraltar foi classificada como “apocalíptica” pelo presidente do Comitê de Inteligência e Segurança local (ISC, na sigla em inglês).

Os críticos condenaram as palavras do antigo líder do Partido Conservador, que comparou a situação atual com a invasão argentina ocorrida nas Ilhas Malvinas.

Dominic Grieve, presidente do ISC, disse que “não há evidências” que suportem as declarações de Howard.

O Sr. Grieve disse: “Eu não acho que teria me expressado usando os termos que Michael Howard usou, pois eles soam um pouco apocalípticos”.

“No momento não temos evidências de que o governo espanhol tenha interesse em invadir e tomar o controle de Gibraltar.”

“Dito isso, é correto afirmar que no caso de ataque a qualquer um de nossos territórios no exterior, e isso inclui Gibraltar, nós iríamos para a guerra. Esta é uma política do governo do Reino Unido”.

Numa entrevista para o programa Westminster Hour, da BBC Radio 4, ele acrescentou que o Brexit pode causar dificuldades no relacionamento com a Espanha, e criticou a União Europeia pela decisão “perigosa e um pouco arriscada” de mencionar Gibraltar na versão preliminar do texto de negociação, “pois é provável que isso eleve a temperatura do que já será uma negociação difícil”.

O ministro espanhol Alfonso Dastis acusou o Reino Unido de ter “perdido a cabeça”.

Ele disse que ficou “surpreso com o tom dos comentários vindos do Reino Unido”.

Gibraltar insistiu que não será usado como moeda de troca nas negociações do Brexit. (Sean Gallup/Getty Images)

A primeira-ministra prometeu não trocar a soberania sobre Gibraltar por um acordo de comércio com a União Europeia.

A questão de Gibraltar foi levantada numa versão preliminar das negociações com a União Europeia, divulgada pelo presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, que indicava que Madri receberia o poder de vetar a participação do território britânico ultramarino em um futuro acordo.

Theresa May conversou com o líder de Gibraltar, Fabian Picardo, para dizer a ele que o Reino Unido continuava “completamente dedicado a trabalhar com Gibraltar para obter o melhor resultado possível no Brexit”.

Embora não tenha havido referência à reinvindicação da Espanha à soberania no documento da UE, a menção específica de um papel para o governo espanhol na decisão a respeito de futuros tratados comerciais serem aplicáveis ou não a Gibraltar, causou inquietação em Westminster.

Numa série de entrevistas para a televisão, Howard comparou diversas vezes a situação em Gibraltar com a invasão argentina nas Ilhas Malvinas, que levou à guerra contra o Reino Unido.

Michael Howard comparou diversas vezes a situação em Gibraltar com o ocorrido nas Ilhas Malvinas (PA Images)

Ele disse no domingo: “Trinta e cinco anos atrás esta semana, uma mulher primeira-ministra enviou uma força-tarefa para o outro lado do mundo para proteger a liberdade de outro pequeno grupo de britânicos contra outro país de língua espanhola, e estou absolutamente seguro de que nossa atual primeira-ministra mostrará a mesma determinação para defender o povo de Gibraltar”.

Quando questionado a respeito de estar “sugerindo seriamente” uma guerra com a Espanha, Howard respondeu: “É claro que não”.

No entanto, ele culpou a UE pela situação, e acrescentou: “Não vejo problema em lembrá-los do tipo de povo que somos”.

A Espanha mantém uma reivindicação sobre o controle territorial de Gibraltar, que está sob o domínio do Reino Unido desde 1713 e tem o status de território britânico ultramarino.

Yahoo News UK