Políticos cobram no STF divulgação de vídeo de reunião ministerial em que Bolsonaro defende troca na PF

Reunião ministerial do dia 22 de abril (Foto: Marcos Corrêa/PR)

Parlamentares e partidos entraram com ação no Supremo Tribunal Federal para que seja divulgada a íntegra do conteúdo da gravação da reunião de ministros em que o presidente Jair Bolsonaro admite que quer interferir na Polícia Federal para proteger familiares. 

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

"É imperiosa a divulgação na íntegra do citado vídeo o mais rápido possível, a fim de que a sociedade possa livremente deliberar sobre os fatos ali expostos”, afirma o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), autor de um dos pedidos.

Leia também

A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) defende que é um direito da sociedade saber o que realmente foi dito na reunião.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

"O presidente está sob suspeição até que se apure o caso. Se forem verdade as acusações de que Bolsonaro teria cobrado a troca na Polícia Federal no Rio para proteger seus familiares, o presidente cometeu crime e deverá ser punido”, disse.

O vídeo foi exibido, nesta terça-feira (12), na Polícia Federal. Na reunião do conselho de ministros do último dia 22 de abril, o presidente defendeu trocas no comando da PF do Rio para evitar que familiares e amigos seus fossem “prejudicados” por investigações em curso. 

Ao falar com jornalistas agora há pouco em frente ao Palácio do Planalto, Jair Bolsonaro disse que a gravação da reunião ministerial deveria ter sido “destruída”. 

“A fita era para ser, inclusive, destruída. Após aproveitar algumas imagens para a divulgação. Não sei por que não foi”.

O cartão de gravação foi formatado, o que levou o ministro do STF Celso de Mello a cobrar a entrega do vídeo, sob ameaça de decretar busca e apreensão no Planalto. A Assessoria Especial da Presidência havia feito o backup.

A exibição do vídeo já gerou mudanças no Planalto. Bolsonaro também informou que a reunião ministerial que aconteceu hoje não foi gravada.

“Não creio que nada mais surpreenda a República acostumada com manifestações impróprias do presidente e de alguns de seus ministros. O escândalo já ganhou ar de normalidade, infelizmente”, afirmou o senador Major Olímpio (PSL-SP), que também defende a divulgação do vídeo.

O PT e o PSOL adiantaram que estudam também apresentar novo pedido de impeachment contra Bolsonaro com base no vídeo da reunião ministerial. 


Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.