Poluição do ar: duas horas de exposição ao escapamento de diesel já afeta o cérebro

Os altos níveis de poluição do ar constantes em grandes cidades têm acendido o alerta de especialistas nos últimos anos. No entanto, um novo estudo de pesquisadores canadenses, publicado no periódico Environmental Health, mostra que mesmo taxas mais baixas durante um curto período tempo já são suficientes para prejudicar a função do cérebro.

Pedro Scooby e Cintia Dicker: Entenda o que é a gastrosquise, causa da cirurgia de filha recém-nascida do casal

Síndrome sensorial: Entenda condição que afeta filho de Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso

Segundo os responsáveis pelo trabalho, o estudo é o primeiro a descobrir, a partir de um experimento controlado, que a poluição atmosférica consegue alterar as conectividades do órgão após somente duas horas de exposição. Para isso, 25 adultos saudáveis foram expostos ao escapamento do diesel e ao ar filtrado, em momentos diferentes, e passaram por exames de ressonância magnética cerebral antes e depois.

"Por muitas décadas, os cientistas pensaram que o cérebro podia estar protegido dos efeitos nocivos da poluição do ar. (Porém) este estudo, que é o primeiro desse tipo no mundo, fornece novas evidências que sustentam uma conexão entre a poluição do ar e a cognição”, diz o autor do estudo, chefe de medicina respiratória e presidente de pesquisa em doenças pulmonares ocupacionais e ambientais da Universidade da Colúmbia Britânica, Chris Carlsten, em comunicado.

Sente cansado ou com falta de ar? Saiba os 13 sintomas que indicam deficiência de ferro e quando procurar um médico

Os achados mostraram que o tempo de exposição aos poluentes já foi suficiente para alterar uma região do cérebro chamada de default mode network (DMN), uma rede que conecta diferentes partes do órgão que exercem um papel importante na memória e no pensamento. Os exames revelaram uma diminuição na conectividade funcional da DMN, em comparação com a exposição ao ar filtrado.

"Sabemos que a conectividade funcional alterada na DMN foi associada a desempenho cognitivo reduzido e sintomas de depressão, por isso é preocupante ver a poluição do tráfego interrompendo essas mesmas redes", afirma a professora de psicologia da Universidade de Victoria, também autora do estudo, Jodie Gawryluk.

Risco de Covid grave: O quanto ainda estou protegido um ano após ter sido vacinado e infectado?

Ela ressalta que, “embora sejam necessárias mais pesquisas para entender completamente os impactos funcionais dessas mudanças, é possível que elas prejudiquem o pensamento ou a capacidade de trabalho das pessoas”.

No estudo, as alterações voltaram ao normal após a exposição. No entanto, Carlsten avalia que os impactos podem ser duradouros quando o contato com a poluição do ar é contínua. Por isso, os resultados devem servir de alerta para a população.

"As pessoas podem querer pensar duas vezes na próxima vez que estiverem presas no trânsito com as janelas abertas. É importante garantir que o filtro de ar do seu carro esteja em boas condições de funcionamento e, se você estiver andando ou andando de bicicleta por uma rua movimentada, considere desviar para uma rota menos movimentada”, orienta o pesquisador.

Pandemia: OMS fará reunião para avaliar se Covid-19 ainda representa emergência global

Ele destaca ainda que os efeitos observados no estudo provavelmente são replicáveis para outros tipos de poluentes. No contexto em que a poluição atmosférica tem se tornado cada vez mais um ponto de preocupação, Carlsten também defende que as evidências sejam consideradas para a formulação de políticas públicas de saúde.

"A poluição do ar é agora reconhecida como a maior ameaça ambiental à saúde humana e cada vez mais vemos os impactos em todos os principais sistemas de órgãos. Acho que veríamos impactos semelhantes no cérebro da exposição a outros poluentes atmosféricos, como fumaça de incêndio florestal. Com o aumento da incidência de distúrbios neurocognitivos, é uma consideração importante para autoridades de saúde pública e formuladores de políticas”, diz.