Pombo, Vini Malvadeza, Adulto Ney... Entenda os apelidos dos jogadores do Brasil

Os nomes dos principais jogadores que foram chamados por Tite para defender a seleção brasileira no Catar já estão na ponta da língua dos torcedores brasileiros, e alguns deles ainda trazem consigo alcunhas conhecidas. Mas você conhece a origem dos apelidos dos atletas que irão buscar o hexa? Veja a lista abaixo:

Menino/Adulto Ney

O camisa 10 da seleção despontou no Santos, ainda em sua adolescência, concorreu ao prêmio de Melhor do Mundo da Fifa em 2011, com apenas 19 anos. Antes disso, já era conhecido no Brasil por fazer parte de uma geração que deixa os santistas com saudades, e, pelos bons desempenhos em campo e pela "ousadia e alegria" fora dele, passou a ser conhecido como Menino Ney. Com o amadurecimento — ainda que apenas no calendário — o jogador foi se tornando uma referência no futebol mundial, e já na Copa de 2014, já começava a ser chamado de Adulto Ney pelos seus 22 anos de idade.

Hoje, o apelido pegou, e é comum ver torcedores se referirem assim a ele nas redes sociais. "Menino Ney" é utilizado ainda hoje, mas de forma pejorativa, em momentos que o temperamento do jogador leva a melhor ou quando ele aparece nas páginas de fofoca por alguma polêmica.

Vini Malvadeza

A redução de Vinícius para Vini não foi suficiente para conter a potência do jogador brasileiro que estampa mais contratos de publicidade dentre toda a seleção. Quando ainda jogava pelo Flamengo, antes de ser vendido ao Real Madrid com 17 anos de idade, um youtuber flamenguista viu a foto, hoje icônica para a torcida rubro-negra, em que um jogador coloca um óculos faltando uma lente no rosto após fazer o segundo gol contra o Emelec, na Libertadores de 2018.Foi aí que entrou em cena Vini Malvadeza.

O Flamengo, que é conhecido pelos fãs e pelos rivais como o "Malvadão", encontrou na figura do jovem Vinícius Júnior, recém-promovido para o profissional, a figura perfeita para encarar o título. Quando chegou ao time B do Real Madrid, o Castilla, chegou a ser chamado de Maradona, mas a partir do momento que sua estrela começou a brilhar na equipe principal, até os narradores entraram na onda. É comum ouvir o bordão "Vini...Vini...Vini...Malvadeza!" na voz de diversos apresentadores ao redor do mundo.

Pombo

"Pruuu" ou um emoj de pombo é o que mais aparece nas redes sociais de Richarlison, atacante que hoje joga no Tottenham, da Inglaterra. Capixaba, o jogador começou a entrar em campo pelo pequeno Nova Venécia, de sua cidade natal, no Espírito Santo, e depois passou pelo futebol mineiro e carioca até ir para a Inglaterra.

Mas foi em setembro de 2018 que Richarlison se tornou o "pombo". Na época, a música "Dança do Pombo", de MC Faísca e os Perseguidores viralizou, e o atacante gravou um vídeo fazendo a coreografia. Ao postar nas redes sociais, as visualizações e curtidas explodiram, e ele passou a comemorar seus gols no Everton, seu clube da época, fazendo a dança. O que era para ser uma brincadeira entre amigos pegou, e hoje a esperança dos brasileiros é ver o jogador estufando o peito depois de estufar as redes no Catar.

Paquetá

O cria da base do Flamengo é conhecido como Lucas Paquetá desde a infância, mas esse não é o seu sobrenome, diferente do que muita gente pensa. O nome completo do meia é Lucas Tolentino Coelho de Lima, e o apelido surgiu porque o jogador nasceu na Ilha de Paquetá, localizada a 17 quilômetros da Praça XV, ponto de onde saem as barcas para o bairro, e o trajeto dura em média 1h30 de duração.

Derivado desse apelido, também é possível encontrar referências a mais alcunhas: entre elas, "Paquetop" é a mais famosa.

Queixada

"Quer um 9 bolado? (Preciso) / Faraó do Egito? (Que queixo!)", diz a paródia "Ai, Pedro", se referindo ao jogador, que veste a camisa do Flamengo. O traço é o mais marcante do rosto do jogador, e o atacante começou a ser chamado de Queixada — e suas inúmeras variações — desde os tempos da base do Fluminense. Cria de Xerém e um dos destaques do rival na temporada, o jogador já afirmou que não se incomoda com o apelido. "Não adianta se queixar", afirma a torcida rubro-negro sempre que o nome do atacante é mencionado.

Rodrygo

Desta vez, o apelido não está na grafia e nem em uma alcunha curiosa, mas na pronúncia do nome: o Y no meio de Rodrygo faz muitos torcedores chamarem o atacante de "Rodráigo". Sim, como se fosse um estrangeiro, com uma pronúncia de Hollywood.

Além disso, o jovem jogador atende pelo apelido de "raio" desde a época da base do Santos. Quando ele marca mais de uma vez, é comum os torcedores afirmarem que "um raio cai duas vezes no mesmo lugar", e o mesmo aconteceu na sua vida pessoal, já que é pai de gêmeos — mesmo que não tenha relação com a mãe dos filhos e tenha se recusado a fazer o teste de DNA para comprovar a paternidade.

Monstro

O zagueiro e capitão do Brasil, Thiago Silva, vai para sua quarta Copa com a responsabilidade de ser o líder da seleção dentro do campo e no vestiário. Mas ele já é chamado de "monstro" desde muito antes da seleção: quando jogava no Fluminense, em 2007, foi elogiado pelo goleiro Fernando Henrique dentro de campo, e, na transmissão, os microfones captaram a saudação do arqueiro. A alcunha caiu nas graças da torcida e o zagueiro, até hoje, é conhecido assim pelos torcedores.