Pompeo diz que líder supremo do Irã "mente" sobre o coronavírus

O líder supremo iraniano Ali Khamenei deu a entender que seu país não aceitará a ajuda médica oferecida pelo presidente americano Donald Trump

O chefe da diplomacia dos Estados Unidos, Mike Pompeo, acusou nesta segunda-feira o guia supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, de mentir sobre o alcance do novo coronavírus no país.

"O regime continua mentindo aos iranianos e ao mundo sobre o número de casos e mortes, que lamentavelmente são maiores do que o regime admite", afirmou Pompeo em um comunicado.

No domingo, durante um discurso exibido na TV, Khamenei deu a entender que seu país não aceitará a ajuda médica oferecida peplo presidente americano Donald Trump para lutar contra o coronavírus e afirmou que desconfia dos "charlatães" no poder em Washington.

Pompeo acusou Mahan Air, "a principal companhia aérea terrorista do Irã" de transportar o "vírus de Wuhan" através de seu serviço aéreo contínuo para a China.

Ele acrescentou, no entanto, que o governo dos Estados Unidos segue aberto a oferecer ajuda e "trabalha incansavelmente" para desenvolver uma vacina.

"Khamenei rejeitou a oferta porque trabalha incansavelmente para elaborar teorias da conspiração e prioriza a ideologia acima do povo iraniano", afirmou o secretário de Estado.

Também indicou que o governo dos Estados Unidos era pouco receptivo ao pedido do Irã de um empréstimo do FMI, onde Washington tem poder de veto, acusando a República Islâmica de financiar o "terrorismo no exterior" com seus recursos.

O governo Trump mantém a política de "pressão máxima" e sanções contra o Irã, que foi duramente afetado pela pandemia, com um balanço oficial de mais de 1.800 mortos.