Pompeo pede a Lukashenko que liberte americano detido em Belarus

·1 minuto de leitura
Manifestantes em marcha das mulheres contra os resultados das eleições presidenciais de Belarus
Manifestantes em marcha das mulheres contra os resultados das eleições presidenciais de Belarus

O chefe da diplomacia dos Estados Unidos, Mike Pompeo, conversou por telefone no sábado (24) com o presidente de Belarus, Alexander Lukashenko, para pedir a libertação e saída do país de um conselheiro político americano, informou o Departamento de Estado.

Vitali Shkliarov, um especialista da Universidade de Harvard que assessorou candidatos presidenciais nos Estados Unidos, Rússia e Ucrânia, foi detido em 29 de julho em Belarus antes das eleições de 9 de agosto no país e acusado pelas autoridades bielorrussas de organização de atos que violam a ordem pública.

Seu advogado disse na segunda-feira que ele foi colocado em prisão domiciliar.

"O secretário pediu a libertação completa e a saída imediata de Belarus do cidadão americano, equivocadamente preso Vitali Shkliarov e reafirmou o apoio americano às aspirações democráticas do povo de Belarus", disse um porta-voz do Departamento de Estado.

Shkliarov, nascido na cidade bielorrussa de Gomel, trabalhou nas campanhas presidenciais de Barack Obama e Bernie Sanders.

Lukashenko, que governa com pulso firme há 26 anos esta ex-república soviética, conquistou a vitória nas eleições bielorrussas de agosto, mas as denúncias de fraude ativaram uma onda de protestos que persistem, apesar da ameaça da polícia de disparar balas reais contra os manifestantes.

Quase todas as figuras da oposição estão presas ou no exílio e as autoridades anularam os credenciamentos da imprensa estrangeira.

fff-mjs/gle/rsr/af/aa