População de BH cria vaquinha ironizando procurador que chamou R$ 24 mil de 'miserê'

Yahoo Notícias - Caso Minas Gerais assine acordo com governo federal, reajustes podem ser congelados

Resumo de notícia

  • Caixa de doação nas ruas de Belo Horizonte ironiza a situação: “Ajude o procurador do MPMG sair do miserê”

  • Estado de Minas Gerais estuda aceitar um acordo de recuperação fiscal do governo federal

Durante uma reunião extraordinária do colegiado do Ministério Público de Minas Gerais para discutir o Orçamento de 2020, o procurador Leonardo Azeredo dos Santos chamou o próprio salário de "miserê". A declaração foi gravada: "Como é que o cara vai viver com 24 mil reais?"

Diante da fala do procurador, a população de Belo Horizonte não hesitou em ironizar o áudio, que viralizou nas redes sociais. Uma caixa de papelão foi depositada na rua pelo advogado Mariel Marra, com os dizeres “Ajude o procurador do MPMG sair do miserê”.

Leia também

Em junho, Leonardo Azeredo dos Santos somou o salário com verbas indenizatórias e outras verbas retroativas/temporárias, somando R$ 78.617,66. No áudio, ele diz que já precisou ajustar seu padrão de vida para aprender a viver apenas com o salário:

“Estou deixando de gastar R$ 20 mil de cartão de crédito e estou gastando R$ 8 mil. Pra poder viver com os R$ 24 mil. Eu e vários outros já estamos vivendo à base de comprimido, à base de antidepressivo. Estou falando assim com dois comprimidos de sertralina por dia, e ainda estou falando deste jeito. Se não tomasse, ia ser pior do que Ronaldinho”, exclamou.

Dirigindo-se ao procurador-geral de Justiça, Antônio Sérgio Tonet, ele ainda perguntou se não havia "nenhuma perspectiva, nenhum sonho, de incrementar qualquer tipo de vantagem" que aumente a remuneração.

Questionado pela reportagem do G1, o procurador não se pronunciou sobre a gravação. Já o Ministério Público de Minas Gerais informa que não pretende adotar benefícios pecuniários para a carreira de procuradores e promotores de Justiça, nem de servidores, por conta da crise financeira do estado.

O governo de Minas Gerais estuda aceitar um plano de recuperação fiscal oferecido pelo governo federal para atravessar a crise fiscal.