Por beijo lésbico, 'Lightyear', da Disney, tem lançamento banido em 14 países

A Pixar e sua controladora, a Disney, nem mesmo o submeteram à censura da Arábia Saudita, sabendo que não seria aprovado lá. (Foto: Joel C Ryan/Invision/AP)
A Pixar e sua controladora, a Disney, nem mesmo o submeteram à censura da Arábia Saudita, sabendo que não seria aprovado lá. (Foto: Joel C Ryan/Invision/AP)

'Lightyear' se tornou um campo de batalha pelos direitos LGBTQI+. Sua estreia mundial não será mais mundial. Este spin-off do universo 'Toy Story', lançado em diferentes territórios - na indústria cinematográfica não há países, apenas territórios, que não coincidem exatamente com as nações - entre esta quarta-feira (15) e sexta-feira (17) (quando chega aos cinemas espanhóis), não poderá ser visto em países do Oriente Médio, como Kuwait ou Emirados Árabes Unidos, nem em outros da Ásia, como a Malásia.

A Pixar e sua controladora, a Disney, nem mesmo o submeteram à censura da Arábia Saudita, sabendo que não seria aprovado lá, mas segundo a Variety , o filme passou em uma primeira triagem nos Emirados Árabes Unidos. No final, 14 países do Oriente Médio e da Ásia, entre os quais, além dos mencionados, incluem Indonésia, Egito e Líbano, proibiram o filme de ser exibido em seus cinemas por incluir um beijo de um casal do mesmo sexo. E o lançamento na China, um dos maiores mercados cinematográficos do mundo, está mantido. Em muitas dessas nações a homossexualidade é considerada um crime.

Protestos

O filme foi mencionado há três meses pelos animadores da Pixar quando protestaram contra a lei contra os direitos LGTBQI+ no Estado da Flórida, à qual a Disney parecia cumprir. Os trabalhadores alegaram em março que executivos da empresa haviam solicitado cortes de "quase todos os momentos de demonstrações de afeto gay" nos filmes da Pixar, apesar da resistência e protestos das equipes criativas e da administração do estúdio, comprado pela gigante do entretenimento em 2006. "Nós da Pixar testemunhamos como histórias lindas, repletas de personagens diversos, retornam da crítica corporativa da Disney em uma versão reduzida às migalhas do que eram", disse o texto endereçado ao CEO da empresa, Bob Chapek, que veio para a posição no ano passado, substituindo Bob Iger.

E nesses cortes estava o beijo lésbico em "Lightyear". A Disney, que tem seis parques temáticos na Flórida, recuou e o trouxe de volta. A empresa não alterou a dinâmica entre os dois, mas tirou o beijo entre as mulheres da tela, segundo a revista Variety . Uma amiga de Buzz Lightyear, um patrulheira espacial, se casa com outra mulher na tela, com quem tem sequências de casal, incluindo um beijo.

Isso não é novo

Além disso, as autoridades chinesas pediram à Disney alguns cortes. A produtora esclareceu que ainda não recebeu uma resposta definitiva do governo chinês, mas a censura deste país asiático já rejeitou outras manifestações de homossexualidade na tela no passado. "Não vamos cortar nada, especialmente algo tão importante quanto o relacionamento amoroso e inspirador que mostra ao Buzz o que ele está perdendo com as decisões que toma, então isso não será cortado", disse o produtor Galyn Susman à Reuters no evento.

O ator Chris Evans, que dá voz ao protagonista Buzz Lightyear no lugar de Tim Allen, também deixou sua opinião clara. Ele, que também interpretou o Capitão América, descreveu a situação como “frustrante”: “É ótimo que façamos parte de algo que está avançando na capacidade de inclusão social, mas é frustrante que ainda existam lugares que não estão onde deveriam estar".

Apesar da frustração, a Pixar enviou uma mensagem de calma, pois, apesar da magnitude do mercado asiático, a bilheteira chinesa representou apenas 3% da arrecadação mundial de "Toy Story 4", que ultrapassou mil milhões de euros. Há alguns meses, a Disney já descartou lançar "Doutor Estranho no Multiverso da Loucura" em vários países pelo mesmo motivo. No entanto, é a primeira vez que esse confronto contra a censura é tornado público.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos