Por coronavírus, depoimento de Pyong em investigação de assédio no 'BBB20' é adiado

Leonardo Ribeiro
Extra

Eliminado do "Big Brother Brasil 20", Pyong Lee ainda tem compromissos fora da casa para analisar o seu comportamento no reality. E não estamos falando apenas das entrevistas em programas da Rede Globo. O hipnólogo é investigado por importunação sexual, devido ao seu comportamento com as mulheres do confinamento durante uma festa, e terá que prestar depoimento na Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam). Porém, devido ao surto de coronavírus este procedimento terá que ser adiado.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Notícias no Google News

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

“Por conta do coronavírus, estamos trabalhando de acordo com as normas de nossa secretaria. O atendimento tem sido monitorado. E, no momento, (as investigações relacionadas ao "BBB20") estão sem previsão”, explica a delegada Catarina Noble.

Foi na madrugada de domingo, dia 9 de fevereiro, que as redes sociais ficaram em alerta com o comportamento de Pyong. O brother foi acusado de apalpar Flayslane durante uma dança, sem autorização da cantora, e tentou beijar Marcela.

Leia também

O hipnólogo foi chamado ao confessionário e recebeu uma advertência da Rede Globo. 

"Ontem, na festa, seu comportamento causou preocupação. Você foi inconveniente com as meninas da casa. Isso aqui é uma advertência para que esse tipo de comportamento não se repita. Estamos zerando suas estalecas e tirando mais 500 pelo seu comportamento", disse a produção.

Além disso, do lado de fora, a sua assessoria se manifestou.

"Soubemos do inquérito através da matéria, mas estamos convencidos de que todas as pessoas envolvidas com a suposta situação já deixaram claro que não se sentiram incomodadas, além da relação entre eles ter continuado em amizade e muito positiva. Caso a instauração de inquérito se confirme, acreditamos que chegarão a essa mesma conclusão", diz a nota.

Leia também