Por que algumas pessoas resistem melhor ao estresse do que outras?

A capacidade de algumas pessoas de resistir à adversidade e ao infortúnio nunca deixa de nos surpreender. “Não aguentei. Se acontecesse comigo, eu afundaria, eu morreria", são frases que todos nós já dissemos ou pensamos alguma vez quando raciocinamos sobre a situação de quem perdeu um filho, convive com uma doença grave, enfrenta um violento parceiro, educam adolescentes irresponsáveis, perdem o emprego, o companheiro os abandona, ou sofrem, como os políticos, frequentes repreensões ou insultos que chegam às vezes até a própria família, entre outros exemplos relevantes.

Nova técnica: Terapia com laser pode melhorar problemas de memória de curto prazo, mostra estudo

Avanços: Vacina para chikungunya mantém proteção após um ano e aval será solicitado nos EUA ainda neste ano

A verdade é que quando o infortúnio nos atinge pessoalmente, não morremos e aprendemos a suportá-lo, porque a natureza, a evolução biológica , nos programou para isso, para sobreviver. É claro que nossa vida não é mais a mesma de antes, e devemos mudá-la fazendo uso da principal e mais poderosa capacidade do cérebro e da mente humana: raciocinar para ver as coisas de maneira diferente, reduzir nossos sentimentos negativos e propor metas e objetivos enraizados na nova situação em que vivemos; em uma palavra, resistir.

Ainda assim, no dia-a-dia também vemos que algumas pessoas resistem melhor ao desconforto e ao estresse do que outras. Há quem sofra menos com isso e se recupere imediatamente, enquanto outras pessoas sofrem mais e demoram muito para estabilizar seu estado físico e mental depois de terem sido vítimas de alguma circunstância. Para se referir a essa diferente capacidade de recuperação das pessoas, a psicologia assumiu o termo resiliência, retirado da física e da engenharia.

Originalmente, esse termo se refere à capacidade de um corpo material ou físico de recuperar seu estado normal após ter sofrido alguma pressão mecânica que o dobrou ou modificou. Um elástico, por exemplo, é um material muito resistente, pois quando o dobramos, ele volta imediatamente ao seu estado normal. Os metais, por outro lado, têm muito menos resiliência , embora em graus muito diferentes cada um deles. Da mesma forma, em psicologia, uma pessoa é altamente resiliente quando consegue superar rapidamente uma situação adversa, evitando a ansiedade e a depressão e voltando ao seu estado físico e mental normal.

As diferenças na resiliência entre as pessoas são determinadas por fatores genéticos, educacionais e pela marca que suas próprias experiências pessoais deixaram. Assim, a resiliência também poderia ser condicionada pela própria experiência estressante, seu contexto e a forma particular como cada indivíduo lida com ela. É o que um grupo de pesquisadores do Instituto de Neurociências e do Departamento de Psicologia da Universidade de Princeton (Nova Jersey, EUA) tentou descobrir por meio de um experimento com camundongos, cujos resultados foram publicados recentemente na revista Nature .

Anteriormente, já se sabia que a liberação da substância dopamina no núcleo accumbens, local do cérebro envolvido na gratificação e no aprendizado, é alterada em camundongos em situações estressantes, mas resta saber por que e qual a importância disso. Agora, os pesquisadores submeteram cada uma das cobáias a uma série de 10 derrotas de luta livre, uma por dia, contra ratos diferentes, procedimento conhecido como derrota social.

Geralmente, animais mais suscetíveis ao estresse adotam posturas de submissão e fuga com mais frequência do que animais mais resilientes. Nesse experimento, observou-se que os camundongos que apresentaram maior liberação de dopamina diante do agressor no início da luta foram os mais resilientes.

Ao contrário, os camundongos que apresentaram maior liberação de dopamina no final do ataque e início de sua fuga, ou seja, nos momentos de alívio da situação, foram os menos resilientes, os mais suscetíveis ao estresse e sua consequências negativas (ansiedade e depressão). Além disso, em linha com os resultados de trabalhos anteriores, a pesquisa também mostrou que é possível modificar o comportamento e aumentar a resiliência dos camundongos, estimulando (optogeneticamente) a liberação de dopamina no decorrer da luta, durante a derrota situação.

A lição a ser tirada, segundo os autores do estudo, é que tanto o comportamento adotado na situação de estresse, quanto a liberação de dopamina que ocorre ao mesmo tempo, servem para prever se o animal será resiliente ou sucumbirá ao estresse. A liberação de dopamina atribuída a um agressor aumenta sua própria resiliência, enquanto aquela atribuída a quem foge ou evita o agressor não. O cérebro, então, reage de forma diferente dependendo do contexto e da reação primária da pessoa estressada, o que, de certa forma, parece apontar para o "coping agressivo" como forma de potencializar a própria resiliência em situações de confronto agressivo e estressante.

Embora sempre se possa objetar que esses resultados ainda não foram observados em humanos, a conservação de muitos mecanismos fisiológicos na evolução dos mamíferos nos faz suspeitar que eles também poderiam ocorrer em nossa espécie e que estamos a caminho de explicar por que algumas pessoas são mais capazes do que outras de enfrentar e resistir a situações geralmente tão estressantes.