Por que Baby Shark é um fenômeno na internet

O Globo
·4 minuto de leitura
Reprodução
Reprodução

Não tem para Justin Bieber, Luis Fonsi nem Lady Gaga. Desde o início de novembro, o posto de vídeo mais visto do YouTube é de uma cantiga tradicional que ganhou versão chiclete com clipe ultracolorido, cantado por uma menina de dez anos. "Baby Shark" já ultrapassou os sete bilhões de visualizações, e as cores vibrantes e letra repetiitiva que levam alguns pais ao desespero estão entre o motivos que explicam seu sucesso.

Toda essa atenção já se traduziu em muito dinheiro para a PinkFong, empresa sul-coreana que idealizou a versão moderna da canção. Segundo a "Bloomberg", o hit viral já rendeu US$ 125 milhões, ou mais de R$ 600 milhões. E não são só as crianças que se encantam com os pequenos tubarões.

— 'Baby Shark' já aparecia em algumas rimas, algumas crianças conheciam a canção em outros ritmos, com uma outra pegada. Mas se transformou em fenômeno global através dos pais, e não das crianças. — afirma a consultora de inovação em educação Giselle Santos. — Afinal de contas, as crianças só tiveram acesso a esses vídeos via um adulto, então pode dizer que ele também é um fenômeno de viralização adulta.

Coreografia e refrão viciante

Outro motivo para o sucesso do hit é a coreografia, que logo virou desafio na internet e febre entre usuários do TikTok. É comum encontrar publicações de jovens e adultos dançando ao som de uma versão remixada de 'Baby Shark' com a hashtag #BabySharkChallenge.

A psicóloga Luciana Nunes explica que o refrão repetitivo, 'baby shark, do-do-do', traz uma sensação de segurança para as crianças e cria um estado de previsibilidade.

— A repetição é quimicamente bem aceita entre nós, seres humanos. É assim que as batidas de funk, rock e outros clássicos, que apostam nessa dinâmica, se tornam grandes hits.

O produtor musical Tim Rescala concorda, e aposta que essa sensação também funciona em adultos.

— A música tem apenas cinco notas que se repetem. Na verdade, é uma melodia muito simples repetida incessantemente. Pra mim não é uma melodia infantil. Poderia estar em um contexto de dance music, no universo da música pop. A gente poderia escutar em uma boate.

Algoritmos, algoritmos, do-do-do

Não só o vídeo original de "Baby shark" que faz sucesso. A música já ganhou versões em francês, espanhol, japonês e português. E também foi cantada por ídolos internacionais, como Luís Fonsi, ex-número 1 do Youtube, com "Despacito". Os vídeos com as reações de crianças hipnotizadas pela música também são populares e tudo isso vai alimentando o algoritmo.

— Esse vídeo tem sete bilhões de visualizações muito pelo sistema de divulgação do YouTube, com sua inteligência artificial que sugere os vídeos que compõem o perfil do usuário.É como a televisão dessa geração, potencializada pelas ferramentas digitais e de participação online. As crianças não só gostam de curtir o vídeo, é quase como um dever curtir — reforça a psicóloga Luciana Nunes.

Cores, formas e desenhos

Se você ainda não assistiu ao vídeo, segue uma breve descrição: são duas crianças fantasiadas de tubarão e interagindo com personagens animados e coloridos.

— O vídeo traz elementos repetitivos com um visual descolado para as crianças, o que já "gruda". Há um cuidado visual que é um atrativo para elas, com muitas cores. Tem um menino e uma menina, eles se vêem nessas crianças — afirma a educadora e consultora em tecnologias educacionais Carla Arena.

Esse estilo é comum em conteúdos infantis, como "Galinha pintadinha" e até programas mais antigos como "Vila Sésamo" e "Sítio do Pica-Pau Amarelo".

— O 'Baby Shark' tem alguns elementos que chamam a atenção nessa faixa etária: de repetição, desenvolvimento linguístico e verbal, aprender com o auxílio dos outros. Mas, ao mesmo tempo, há uma liberdade para participar sozinho ou sozinha — reforça Giselle Santos. — Por ter uma linguagem simples, mas eficiente, o vídeo conquista a atenção das crianças. Elas conseguem reconhecer a família de tubarões mesmo que algumas ainda não saibam ler, não sejam fluentes em inglês ou não conheçam o nome de uma forma geométrica.

A PinkFong aproveitou para lançar uma nova versão da música durante a pandemia da Covid-19 acompanhada de um clipe onde duas crianças executam uma coreografia que encena o ato de lavar, esfregar, enxaguar, secar as mãos e, claro, tossir no cotovelo para que todos fiquem "sãos e salvos". Realmente, um hit necessário para todas as faixas etárias.