Por que falar sozinho faz bem para a saúde mental

Tremendo na cama à noite, com os cobertores sobre a cabeça, salvo por uma abertura que deixei no meu rosto, eu sussurrava meus problemas para meu confidente mais próximo: Parede. Parede era o que existia de mais próximo da minha cama de infância e, além do ocasional estrondo ou deslizar abafado, um comunicador não-verbal. Isso não me impediu de ouvir e seguir seus conselhos. Nem sua fachada barata — painéis de madeira falsa acastanhada cheios de adesivos — moderou minha crença em suas profundezas ternas. Parede era um garoto como eu, porém mais calmo, mais frio, mais reflexivo. Ele me ouvia, debatia comigo, completava as frases que eu não terminava. Com ele eu podia lançar ideias como bolas até que o sono finalmente vencesse o medo.

Existe hora certa para comer? Por que é importante seguir o ritmo do relógio biológico para fazer as refeições

Dieta cetogênica: como funciona, prós e contras e quem pode fazer

Não falo mais com o Parede ou com nenhum parente dele: Rendas, Teto, Piso rabugento. Parece que nos esquecemos de como nos comunicarmos uns com os outros. Além disso, quase não nos vemos mais. Em vez disso, falo em voz alta para mim mesmo. No museu onde trabalho, enumero as tarefas do dia e as ferramentas necessárias: furadeira, broca, ponta magnética e um mensurador de nível. No supermercado, interrogo minha lista de compras mental e me desprezo por sua ilegibilidade: Precisamos de, hum... macarrão? ovos? Nós? Tornei -me o que sempre fui: meu próprio Parede.

Os psicólogos chamam o que eu faço de “conversa interna externa” para diferenciá-la da conversa interna regular, também conhecida como monólogo ou diálogo interno. Muitas pessoas fazem isso —apenas assista a uma partida de tênis se você não acredita em mim. É visto como normal dentro de certos limites, até benéfico, embora a discrição do falante seja recomendada. Como muitos comportamentos normais, também é estranho se a pessoa errada o observar, especialmente quando você é jovem.

Quando criança, eu sabia que, se falasse comigo mesmo no terreno da escola, corria o risco de me tornar "Aquele Maluco" que fala sozinho, e que as associações populares do ato — psicose aguda, desajuste — tendem para o negativo. O estigma me manteve quieto, mas sua potência diminuiu à medida que envelhecia.

Liberado

Cansado (a) de esquecer as tarefas? 7 dicas de um neurocientista para turbinara memória

Também: olhe ao redor. As pessoas andam pelas ruas conversando e gesticulando, pequenos botões brancos nos ouvidos. Eles apontam para câmeras de telefone. Determinar a qual público invisível um pedestre está se dirigindo tornou-se um cálculo muito difícil para se preocupar em resolver; a autoconsciência desvanecida e os estranhos efeitos do consumo dos eletrônicos me libertaram.

Ainda assim, costumo ficar sozinho em meu apartamento ou escritório para minhas conversas mais animadas. Elas geralmente se iniciam quando chego a um impasse enquanto escrevo e sigo um loop regular. A pressão se acumula até que a liberação se torna inevitável. Meu monólogo interno não será mais suficiente. A realidade mais dura da linguagem falada começa a sair da minha boca. Eu me amaldiçoo. Eu me flagro. Meus murmúrios se transformam em uma positividade plástica: você não é a pior pessoa; você não precisa desaparecer no vazio. Em vez disso, você é bom e capaz. Referir-me a mim mesmo como “você” acontece inconscientemente, à medida que a voz falada e o que se ouve se separam. A lacuna se alarga. A primeira pessoa salta para a segunda.

Quando minhas garantias não me asseguram, tento uma impressão de [Samuel] Beckett e um conselho geral: você deve continuar, você vai continuar. Preso como sempre, gradualmente transformo minha conversa estimulante em uma espécie de sessão psicodinâmica com o eu, por meio da qual discerno a forma do meu bloqueio. É uma questão pragmática: divida seu problema em partes, descreva o que está faltando, incorpore o que te atrapalha. A distância de “você” finalmente oferece perspectiva e autoridade. Eu faço uma mudança. Eu chamo isso de progresso. Surgem bolhas de autoconfiança genuína: você pode fazer isso; então eu posso fazer isso; então, vamos fazer isso. Como eu poderia ter duvidado de mim mesmo? Mais tarde vislumbrarei outro impasse, e o processo se repetirá.

Outros podem preferir chamar um amigo para ajudar. Por que não procurar alguém de “fora”? Não é um pouco anti-social falar consigo mesmo? Embora eu ainda tenha que renunciar inteiramente à amizade e seu socorro. Descobri que a autoanálise vocalizada e a disposição de se arrastar por dilemas intelectuais e morais em solidão barulhenta é um complemento valioso para saídas de conversação mais tradicionais, especialmente quando se trata de pensamento criativo.

Quando perguntei a amigos se eles falavam sozinhos, um deles descreveu associação livre e encenação para se preparar para reuniões de alto risco. Outro amigo, um fotógrafo, refina sua estética pretendida para um trabalho falando sobre isso, em voz alta, e antecipa como ele lidará com dificuldades hipotéticas no dia da filmagem.

Claramente, os fenômenos gêmeos de bem-estar e auto-otimização pulsam sob o capô aqui. Pode-se imaginar as manchetes inspiradas em SEO: “Como falar consigo mesmo pode ajudá-lo a trabalhar de maneira mais inteligente e rápida”. É justo, mas a conversa interna externa também é um meio de negociar quem é e quem se pode ser.

O medo que associamos a uma pessoa que fala longamente consigo mesma publicamente, e sem aparente preocupação ou consciência do impacto que seu comportamento tem sobre os que a cercam, é o medo de um eu em erosão, sua suposta constância e singularidade se desfazendo, fios soltos conversando uns com os outros caoticamente.

Mas o ato de falar comigo mesmo é um lembrete de que a constância e a singularidade são ilusórias para começar. Que minha multiplicidade é, por sua vez, uma espécie de promessa: não preciso ser como sou. Você também não precisa. Podemos ser diferentes do esperado de uma maneira menor. Ou podemos ser capazes de formular uma frase difícil, que pode levar a um parágrafo, depois a uma nova peça, depois a uma nova pessoa.

Provavelmente, muito provavelmente falar consigo mesmo não mudará o mundo. Pode até não mudar radicalmente você. Mas o diálogo entre os eus atuais e potenciais é uma pequena prova de que tal mudança é possível. Ou talvez seja apenas algo que eu gosto de dizer a mim mesmo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos