Por que 'Família Soprano' é a melhor série de todos os tempos

Rafael Argemon
Série que inaugurou a

O dia 10 de janeiro de 1999 inaugurou uma nova era para as séries dramáticas na TV. Foi nessa data que estreou Família Soprano, produção da HBO que consolidou o que hoje chamamos de “era de ouro da televisão”.

Foi a partir da série criada por David Chase que a TV alcançou um status inédito até então, dando peso a um veículo que antes era considerado de “segunda classe”, inferior ao cinema.

O sucesso avassalador de crítica e público de Família Soprano fez com que o número de séries que primavam pelo alto nível de roteiro, cinematografia e elenco explodisse. A partir de 2000, o meio televisivo foi inundado por títulos de excelente qualidade, como The Wire, Deadwood, Six Feet Under, The Shield, Mad Men, Breaking Bad... Só para citar alguns.

E mesmo que já tenham se passado 20 anos de sua data de estreia, ninguém conseguiu destronar Família Soprano.

Sabe porquê?

Veja aqui pelo menos 5 motivos que mostram porque Família Sopranos (ainda) é a melhor série de todos os tempos:

Tony Soprano é o pai de todos os anti-heróis

Eternizado pelo excelente James Gandolfini, Tony Soprano era um personagem sui generis. Chefe da máfia de Nova Jersey, ele conseguia ser um sociopata brutal e um pai de família carinhoso, um macho alfa que conquistava o respeito de seus pares pela força, mas que sofria com ataques de pânico; um homem que gerava no público amor e ódio na mesma medida. Nenhum protagonista conseguiu equilibrar tão bem a figura de alguém perigoso e violento com uma pessoa generosa e que sofria, como nós, com as pressões da vida moderna. Sem Tony Soprano não existiria Walter White (Breaking Bad), Don Draper (Mad Men), Vic Mackey (The Shield), o casal Jennings (The Americans) ou Al Swearengen (Deadwood), alguns dos mais marcantes anti-heróis da TV.

 

Nenhuma série discutiu a psiquê de seus personagens como Família Soprano

Atormentado por uma série de ataques de pânico cada vez mais frequentes, Tony Soprano resolve...

Continue a ler no HuffPost