Por que ninguém diz que Levi tentou estuprar Muda em "Pantanal"?

Levi tentou estuprar Muda em
Levi tentou estuprar Muda em "Pantanal" (Foto: João Miguel Júnior/Globo)

Muito se falou até aqui sobre a facada de Levi (Leandro Lima) em Tibério (Guito), mas pouco se discutiu o que levou os dois personagens a brigarem em "Pantanal". O embate começou quando Tibério flagrou Levi tentando estuprar Muda (Bella Campos). A jovem já havia deixado claro que não queria transar com o peão. Ainda assim, ele não parou de insistir e chegou a usar a força para intimidá-la.

Mesmo saindo ferido, Tibério conseguiu salvar a amada. O problema é que, depois disso, apenas Irma (Camila Morgado) e Joventino (Jesuíta Barbosa) insistiram para Muda denunciar Levi por tentativa de estupro. Os outros personagens acharam melhor deixar o criminoso amarrado para José Leôncio (Marcos Palmeira) decidir sua pena. O peão acabou fugindo e não respondeu pelo seu ato.

Levi ficou amarrado após cometer o crime (Foto: Victor Pollak/Globo)
Levi ficou amarrado após cometer o crime (Foto: Victor Pollak/Globo)

Chamar atenção para o crime cometido por Levi é importante, pois o número de estupros registrados no Brasil cresceu 8% pós isolamento social. Em 2018, o país já registrava 180 estupros por dia, num total de 66.041 casos no ano todo, segundo o relatório do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Na trama, Muda vive em uma região afastada, sem muita informação e comunicação, o que dificulta a denúncia. Ela, Filó (Dira Paes) e Juma (Alanis Guillen) nem acreditam que podem ser ouvidas pelas autoridades. Embora estejamos falando de uma novela, infelizmente essa ainda é a realidade de muitas mulheres no Brasil. Precisamos fazer com que as informações corretas cheguem para todas.

Como reforçado pelo personagem de Jesuíta Barbosa, denunciar qualquer ato de violência contra a mulher é uma forma de evitar que outras passem pelo mesmo. Na pele de Irma, Camila Morgado também deu o recado: "O que ele (Levi) fez tem nome e se chama estupro. Isso é crime! (...) A gente tem que prestar queixa. A gente passa um rádio, pede para ligar 180", declarou, inconformada.

Afinal, o que é estupro?

Estupro, como se imagina, é crime previsto por lei, no artigo 213 do Código Penal de 1940, e que prevê de 6 a 10 anos de reclusão para quem "constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso". Caso a vítima tenha entre 14 ou 18 anos, a pena é aumentada, chegando até 12 anos de prisão.

E se acontecer comigo, o que devo fazer?

Chamar a polícia ou procurar a delegacia mais próxima. No site do Governo de São Paulo, por exemplo, você encontra o endereço das unidades da Delegacia da Mulher mais próximas caso seja necessário - mas o crime pode ser denunciado e deve ser tratado com seriedade em qualquer delegacia de polícia.

Uma vez lá, é importante fazer um Boletim de Ocorrência, ele será necessário para o exame de corpo delito no Instituto Médico Legal, o IML. Da própria delegacia, a vítima será encaminhada para um hospital, onde fará exames e receberá medicamentos antivirais (para evitar a contaminação de vírus como o HIV) e a pílula do dia seguinte.

Os procedimentos, porém, não tiram a importância de acolher uma vítima que passou por uma situação de estupro ou abuso sexual. Muitas vezes, ela mesma não tem consciência da gravidade do que aconteceu - ou consciência de que a situação é séria a esse ponto. Caso não se sinta confortável para falar com pessoas próximas, ela pode sempre procurar ajuda profissional especializada ou consultar o Mapa do Acolhimento, que oferece auxílio para mulheres vítimas de violência.

Como procurar ajuda?

Disque 180

O método mais conhecido de denúncia é por meio do Disque 180, o Disque-Denúncia criado pela Secretaria de Políticas para Mulheres. As denúncias são feitas de forma anônima, e o atendimento é disponível 24 horas, em todo o país. Os casos denunciados por esses meio são encaminhados ao Ministério Público.

Polícia Militar (190)

Nesse caso, vítima ou testemunha podem ir à delegacia mais próxima fazer uma denúncia ou abrir um chamado pelo número de emergência 190. Importante notar que, no caso de ligação, o atendimento depende da disponibilidade de viaturas e gravidade da situação - casos em que a vida ou integridade física da vítima estejam em risco são sempre prioridade.

Delegacia da Mulher

Buscar a Delegacia da Mulher mais próxima também é uma opção - e oferece auxílio especializado em casos de violência contra as mulheres.

Aplicativo Direitos Humanos Brasil

Caso usar o telefone ou ir a uma delegacia não seja uma opção, é possível ainda usar o aplicativo Direitos Humanos Brasil, desenvolvido pelo Ministério da Mulher da Família e dos Direitos Humanos, para fazer uma denúncia oficial. A página na internet da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos também recebe denúncias.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos