Turismo de vacina? Por que o México virou o país mais procurado por famosos

Priscila Carvalho
·7 minuto de leitura
Thaila Ayala, Roberto Justus, Ana Paula Seibert e o casal Claudia Raia e Jarbas Homem de Mello (Foto: Reprodução/Instagram)
Thaila Ayala, Roberto Justus, Ana Paula Seibert e o casal Claudia Raia e Jarbas Homem de Mello (Foto: Reprodução/Instagram)

Se você acessa o Instagram, com certeza, já viu pelo menos um ator ou influencer postando uma foto em uma praia em Cancun ou Tulum, no México. No começo do ano, a modelo Yasmin Brunet esteve por lá, além da cantora Anitta, a atriz Claudia Raia e outros famosos. Na última semana, o empresário e apresentador Roberto Justus também publicou fotos em suas redes sociais em um resort em Playa del Carmen, outro ponto bem turístico no país.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.
Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

E se antes Cancun não aparecia na lista de turistas que desejavam viajar para o exterior, só no primeiro semestre de 2021, o destino foi o mais procurado por brasileiros, segundo uma pesquisa publicada pelo site Viajanet. De acordo com os dados, o local aparecia em nono lugar no ranking das nove cidades mais procuradas no primeiro semestre do ano passado e pulou para a primeira posição este ano.

Leia também

De acordo com CVC Corp, grupo do qual a CVC Viagens faz parte, viagens para o exterior ainda estão com baixa procura, no entanto, o Caribe ganhou representatividade, com destaque para Cancun.

Mesmo havendo restrição a brasileiros em diversos países do mundo, o México foi um dos lugares que seguiu com as fronteiras abertas, aceitando milhares de turistas desde o ano passado —o país optou por fazer uma quarentena de apenas três meses. A decisão foi incentivada pelo presidente Manuel López Obrado que, na maioria dos seus discursos, minimizava a pandemia de coronavírus, além de sempre aparecer sem máscara em locais públicos. O líder foi vacinado na última terça-feira (20).

Outra fator que impulsiona o turismo na cidade é o fato de o governo mexicano não solicitar medidas sanitárias rígidas. Ao contrário de outros países, que exigem teste de covi-19 com resultado negativo, para entrar no país é necessário preencher apenas um formulário online e embarcar.

Alternativa para chegar nos Estados Unidos

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Uma funcionária, que prefere não se identificar, trabalha em uma agência de turismo de luxo, com sede em São Paulo e nos Estados Unidos. Segundo ela, mesmo diante da pandemia, os destinos mais procurados pelos clientes foram México, Dubai e Maldivas, justamente por ainda aceitarem brasileiros. “A gente vinha numa onda de Japão, África do Sul e Tanzânia. Mas com as restrições mudou bastante. Cancun era um destino popular, porque tem hotéis muito bons, mas como o leque para brasileiros diminui muito, as pessoas estão optando pelo Caribe”, afirma.

Ficar 15 dias em Miami é vendável. Não é de bom tom postar nas redes sociais, mas gera dinheiro. Essas pessoas já vivem no mundo paralelo, então, isso não mudou para elesdiz o antropólogo Michel Alcoforado

E além de ter belas praias e controles sanitários mais frouxos, o México também serve de porta de entrada para quem deseja viajar para os Estados Unidos a turismo e até para garantir a vacinação neste momento. A agente de viagens conta que a empresa assessora os clientes com a documentação, já que muitos deles têm casas ou negócios em Miami e outras cidades do país.

Como os Estado Unidos proíbem voos diretos do Brasil, a alternativa para alguns é permanecer em países do Caribe como México, República Dominicana, Turks e Caicos e depois de 14 dias entrarem em solo americano. “Como muitos viajam de jatinho e não podem ir direto para os Estados Unidos, eles ficam em hotéis por esse período e depois entram no EUA”, explica. De acordo com a brasileira, a hospedagem não sai barata: as diárias variam de 800 a 15 mil dólares e alguns pacotes de viagem podem sair até 50 mil dólares no total.

Ela conta ainda que alguns também recorreram a Dubai para fazer a quarentena antes de entrar no país e, antigamente, até optaram pela vacinação nos Emirados Árabes. “A vacinação por lá está com uma taxa muito boa. E está tudo aberto. Os brasileiros querem voltar a ter uma vida normal, por isso escolhem esses lugares para viajar.”

Mas quem pode entrar nos Estados Unidos e ser vacinado?

Muitos influenciadores estão postando em suas redes sociais que já tomaram vacina em território americano, principalmente em Miami, Flórida. No início do mês de abril, os ex-BBBs Rodrigão e Adriana Santanna receberam a dose e mostraram em seu Instagram. O tema gera bastante dúvida e levanta o questionamento de quem pode entrar no país.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

De acordo com o Alexandre Piquet, advogado brasileiro licenciado nos EUA e com especialização em direito imigratório, empresarial e imobiliário, ainda vigoram regras específicas para a entrada nos Estados Unidos. Mesmo para quem decide entrar e garantir a vacinação, a logística não é tão simples. “Ter uma casa não é uma exceção para o travel ban - proibição de viajar em tradução livre - , que é a primeira parte do planejamento”, afirma.

Para entrar em território americano, por exemplo, é preciso fazer quarentena de 14 dias em algum país que não esteja na lista de banimento de viagem direta e ainda apresentar exame com resultado negativo 72 horas antes da entrada no país.

Após a entrada, para ter direito à vacina no estado da Flórida, é preciso comprovar residência— mesmo que seja parcial naquele estado.“No dia da vacinação é necessário mostrar um comprovante da propriedade ou aluguel do imóvel e mais alguma conta no nome da pessoa, que pode ser banco, celular, telefone”, explica.

Na prática, brasileiros que estão dentro destes requisitos podem ser vacinados sem problema algum. Mas, segundo o especialista, o que tem acontecido em alguns casos, é que muitas vezes alguns postos não pedem nenhum tipo de comprovação e garantem que pessoas que não moram na região recebam o imunizante. “Muitas vezes sobra a vacina e, no fim do dia, eles não vão jogar fora. Além disso, também beneficia pessoas que moram ilegalmente no país e não podem comprovar este tipo de documentação. Aproximadamente 63% das pessoas que moram em Miami são de outro lugar, apesar de serem residentes do estado”, afirma.

Piquet ainda reforça que isso não é garantia de que todo mundo que deseja entrar no estado e não tiver documentação suficiente vai conseguir se vacinar. Muito pelo contrário. “Depende muito do posto de vacinação. Tem lugar que pede, já outros que não.”

E quais são exceções?

O advogado explica que quem é cidadão americano ou quem tem um cartão de residência (green card) pode entrar no país livremente e não precisa fazer a quarentena. Além desta regra, valem também:

-Cônjuge de cidadão americano ou portador de green card;

-Pais de cidadãos ou portadores de green card desde que os mesmos sejam menores de 21 anos, e filhos menores de cidadãos ou portadores de green card;

-Quem vai fazer reuniões de interesse nacional, como diplomatas ou ministros;

-Tratamento médico de urgência (parto não se enquadra neste caso).

-Funeral de parente cidadão ou portador de green card.

Dinheiro não compra felicidade, mas compra vacina

Se antes postar nas redes sociais carros e bolsas de luxo era motivo de ostentação, agora, uma foto recebendo a vacina tomou esse espaço. Para o antropólogo Michel Alcoforado, a ida ao exterior por pessoas que têm mais dinheiro é a nova compra da bolsa de marca Louis Vuitton.“É um reflexo claro de uma sociedade marcada por uma distinção desigual de privilégios”, afirma.

O especialista ressalta que, embora as pessoas estejam viajando para receber a imunização, essa “brecha” estabelece ainda mais uma nova elite. “Agora, nem os ricos tradicionais podem ir”.

Embora seja algo que perpetua ainda mais a desigualdade e aumenta a falta de esperança em alguns brasileiros por aqui, Michel ressalta que não há nada de novo nisso. 

Os mesmos novos ricos investiram pesado no mercado bilionário e estão marcando o 'imunoprivilégio'reforça o antropólogo

Em relação às celebridades, até uma postagem recebendo a vacina no exterior ajuda a promoção da imagem e ainda faz com que ocorra a produção de conteúdo, segundo o especialista. “Ficar 15 dias em Miami é vendável. Não é de bom tom postar nas redes sociais, mas gera dinheiro. Essas pessoas já vivem no mundo paralelo, então, isso não mudou para eles”, finaliza.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.