Por que o PL quer isolar bolsonaristas radicais como Carla Zambelli?

PL quer evitar conflitos com o futuro governo Lula e afastar bolsonaristas radicais; isolamento de Carla Zambelli, inclusive, é defendido por Eduardo Bolsonaro. (Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images)
PL quer evitar conflitos com o futuro governo Lula e afastar bolsonaristas radicais; isolamento de Carla Zambelli, inclusive, é defendido por Eduardo Bolsonaro. (Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images)
  • Integrantes do PL querem isolar bolsonaristas radicais como Carla Zambelli;

  • Objetivo é evitar conflitos com o futuro governo Lula;

  • Postura hostil e bélica de apoiadores de Bolsonaro tem incomodado parte da cúpula da sigla.

Integrantes do PL, incluindo parte da cúpula do partido, defendem isolar bolsonaristas radicais, como Carla Zambelli, para evitar atritos com o futuro governo Lula (PT). A avaliação é de que essa postura “bélica” só funcionava com Jair Bolsonaro (PL) no poder e que tem que mudar frente ao novo cenário.

“A maioria [do PL] não quer confusão. Se tiver que ser feito embate pela racionalidade, vamos fazer. Mas desse comportamento bélico, estamos fora”, disse ao blog de Andreia Sadi, do g1, um deputado federal do partido e aliado de Bolsonaro.

O incômodo da legenda com os radicais aumentou depois que um grupo de bolsonaristas hostilizou Arthur Lira (PP), presidente da Câmara que recebeu apoio do PT para a reeleição, durante um jantar do PL, feito na última terça-feira (29).

Lira, que era convidado da sigla, foi chamado de traidor e omisso pelos apoiadores do atual mandatário. Ele também foi cobrado a se posicionar sobre os atos golpistas realizados em frente aos quartéis e em rodovias do Brasil.

Um aliado do presidente da Câmara e de Bolsonaro, então, sugeriu que Lira orientasse o grupo radical a perguntar a opinião do deputado Eduardo Bolsonaro via telegrama, já que ele se encontra no Catar assistindo aos jogos da Copa.

O 'flagra' envolvendo o filho do presidente rendeu uma série de críticas e desgastou a relação dele com o PL. A avaliação de colegas da Câmara é de que Eduardo era o único que não poderia ir ao Catar em meio ao confronto travado entre o pai e as instituições, como o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), já que ele apoia o mesmo discurso.

Apesar de precisar do partido para liderar a oposição contra Lula, Eduardo deve ser, aos poucos, esvaziado do PL.

Bolsonaro x Zambelli

Um dos motivos para Eduardo apoiar o isolamento da deputada é que ele disputa com ela a liderança da oposição ao futuro governo.

Soma-se a isso o fato de que existe um ‘climão’ entre os dois, já que Eduardo acredita que Zambelli trabalha apenas para a eleição de seus “pupilos”. A relação entre eles piorou com a vitória de Lula no segundo turno das eleições, em 30 de outubro.

A deputada também não tem sido bem-vista por Jair Bolsonaro. Na última terça-feira, o presidente protagonizou uma discussão com a apoiadora durante o jantar de confraternização do partido, em Brasília. Segundo a coluna de Sadi, o mandatário se irritou ao ser cobrado a dar uma orientação aos apoiadores após a derrota nas eleições.

Bolsonaro não perdoa Zambelli por, na véspera do segundo turno, ter perseguido um homem negro com uma arma no meio da rua. A avaliação é de que a cena afastou eleitores indecisos.