Por que padre Kelmon foi a debates e outros candidatos não?

Padre Kelmon é candidato do PTB à presidência da República e foi chamado porque a lei eleitoral obriga as emissoras (Foto: MAURO PIMENTEL/AFP via Getty Images)
Padre Kelmon é candidato do PTB à presidência da República e foi chamado porque a lei eleitoral obriga as emissoras (Foto: MAURO PIMENTEL/AFP via Getty Images)

Na noite da última quinta-feira (29), durante o debate da TV Globo, uma pergunta foi feita inúmeras vezes por brasileiros: por que padre Kelmon (PTB) foi chamado para participar, enquanto outros candidatos não?

O candidato do PTB esteve também no debate do SBT, mas não no da Bandeirantes – na ocasião, ainda não havia sido oficializada a troca de representante do partido. Inicialmente, Roberto Jefferson seria o candidato, mas foi impedido, por estar em prisão domiciliar. Depois, a troca foi oficializada. Kelmon era o vice e assumiu como cabeça de chapa.

A presença do candidato do PTB é uma determinação da lei eleitoral. Em debates de emissoras de rádio e televisão, há previsão legal de que candidatos cujo partido ou coligação possua ao menos cinco parlamentares no Congresso Nacional devem ser convidados.

As emissoras são obrigadas a chamar esses candidatos com pelo menos 72 horas de antecedência. Também por isso Soraya Thronicke estava nos encontros.

Em relação aos candidatos que não possuem a representação mínima, não há obrigatoriedade. Por isso, postulantes à presidência como Leo Péricles (UP), Sophia Manzano (PCB), Vera Lúcia (PSTU) e Eymael (DC) não foram convidados.

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente: