Por que Ucrânia teve sucesso em contraofensiva à Rússia - e que desafios enfrenta agora

Veículos russos destruídos em um rio
Os militares ucranianos divulgaram essas fotos de veículos russos aparentemente abandonados em um rio

A Ucrânia diz que teve ganhos significativos ao conseguir o recuo de tropas russas, retomando mais de 3.000 quilômetros quadrados de território nos últimos dias. Jonathan Beale, correspondente de defesa da BBC, analisa por que os ucranianos foram tão bem-sucedidos - e quais obstáculos as forças da Ucrânia ainda podem enfrentar para vencer a guerra:

"Não subestime a capacidade dos ucranianos de surpreender", disse-me um alto oficial militar dos EUA no início deste verão, no momento em que a Rússia continuava a fazer avanços no Donbas.

A capacidade da Ucrânia de surpreender tornou-se uma marca registrada desta guerra: desde a retirada russa de Kiev até os recentes ataques na Crimeia. Agora há outra surpresa acontecendo no leste do país.

Até agora, era a Rússia que fazia a maioria dos avanços aqui - embora de forma lenta e desgastante, que estava saindo caro para seu exército. Agora é a Ucrânia que está fazendo conquistas, recuperando milhares de quilômetros quadrados de território em questão de dias.

Os maiores ganhos para a Ucrânia foram no leste ao redor da cidade de Kharkiv. O último relatório de inteligência de defesa do Reino Unido diz que a Ucrânia agora liberou uma área com o dobro do tamanho da Grande Londres - embora seja difícil estabelecer o nível de avanços, com jornalistas mantidos bem longe da linha de frente.

A Ucrânia diz que capturou as cidades estrategicamente importantes de Izyum e Kupiansk - centros militares usados ​​pela Rússia para reabastecer suas forças no Donbas. Essas perdas por si só seriam um grande golpe para o exército russo.

Mapa mostra avanços recentes da Ucrânia
Mapa mostra avanços recentes da Ucrânia

A surpresa tem sido a chave para os avanços da Ucrânia. Isso e o uso inteligente de armas ocidentais - incluindo lançadores múltiplos de foguetes de longo alcance dos EUA e do Reino Unido, usados ​​para destruir linhas de suprimentos russas, depósitos de munição e postos de comando. Na semana passada, o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, disse que a artilharia de longo alcance atingiu mais de 400 alvos-chave durante o período de verão.

Antes da chegada dessas armas, a Rússia sempre teve uma vantagem numérica em termos de artilharia. Mas agora a situação parece ter mudado: oficiais de inteligência dos EUA afirmam que a Rússia está tendo que buscar a ajuda da Coreia do Norte para reabastecê-los com milhões de projéteis de artilharia, sugerindo que seus estoques foram seriamente esgotados nos seis meses de combate.

Esse impacto dessas armas ocidentais - combinado com a determinação da Ucrânia em retomar território - pressionou as forças russas e seus representantes a entrarem no que parece ser uma retirada caótica. Imagens nas redes sociais mostram tanques, veículos blindados, armas e munições deixados para trás às pressas e abandonados.

Curiosamente, o avanço no leste foi muito mais rápido do que a bem divulgada ofensiva dos ucranianos no sul em direção à cidade de Kherson. A Ucrânia havia telegrafado essa ofensiva muito antes de começar, enquanto mantinha silêncio sobre seus planos para o leste. Tudo agora parece ter sido parte do plano: se não um desvio, então uma oportunidade para esconder o que estava preparando no leste.

É claro que despistou, com sucesso, a Rússia. Nos últimos meses, a Rússia vem redistribuindo forças do leste para reforçar suas defesas no sul. Ambas as frentes estão agora vulneráveis.

Mas a Ucrânia está achando mais difícil obter ganhos no sul, onde está mais exposta, tendo que lutar principalmente em campos abertos. Um exército em avanço precisa de mais tropas e poder de fogo para superar um exército em defesa.

Exército ucraniano divulga fotos de equipamentos russos capturados na região de Kharkiv
Tropas russas deixaram para trás equipamentos em sua corrida para recuar das linhas de frente

O perigo para a Ucrânia agora pode ser semelhante ao que a Rússia enfrentou nos estágios iniciais da guerra. Tentar avançar em várias frentes pode custar caro - em termos de munição, equipamentos e tropas. Quanto maiores os ganhos, mais longas as linhas de suprimento - que podem ser alvo do exército defensor. Há também o risco de que as forças que avançaram mais longe - criando uma "protuberância" na linha defensiva - possam ser cercadas.

Apesar do otimismo, o ministro da Defesa ucraniano, Oleksii Reznikov, alertou que as forças da Ucrânia no leste podem agora estar mais vulneráveis ​​a um contra-ataque russo. Apoderar-se do território não é suficiente. Um exército tem que manter a área também. Isso pode ser mais fácil se a população local estiver apoiando você.

A dupla ofensiva da Ucrânia ainda é arriscada. Poderia facilmente sofrer contratempos. Mas isso é muito mais do que simplesmente recuperar a terra - mesmo que esse seja o objetivo final.

A Ucrânia está enviando um sinal ao mundo de que realmente acredita que pode vencer esta guerra. Já está usando esses ganhos para apelar para mais armas ocidentais. E a ofensiva chega em um momento crítico - pouco antes do inverno, quando será mais difícil lutar e a vontade do Ocidente será testada. A guerra está longe de terminar. Mas a Ucrânia está mais uma vez mostrando ao mundo sua capacidade de surpreender e superar as adversidades.

- Este texto foi publicado em https://www.bbc.com/portuguese/internacional-62901692

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!