Por sucesso, Ana Castela, a Boiadeira, troca fazenda de 1.350 hectares por cidade grande e vê famosos entrarem em contato

O chapéu, a bota e o cinto de fivela de Ana Castela já adiantam seu estilo musical: o sertanejo. Mas o que traz os holofotes para a jovem sul-mato-grossense de 18 anos é que ela tem atualizado a temática do gênero musical. As letras falam do universo de quem cresceu cercada pela pecuária. Não à toa, a alcunha da artista virou Boiadeira.

— Meu pai e meus avós sempre tiveram fazenda. Criamos gado para engorda e depois vender, plantamos milho, soja... Sei andar a cavalo, não laço boi, mas fazia três tambores (prova típica de rodeio em que é preciso passar por obstáculos com agilidade em cima de um cavalo). Não toco berrante, mas estou aprendendo (risos). Fico muito feliz por ser uma mulher falando do agro — diz Ana, que cresceu na cidade de Sete Quedas, na fronteira com o Paraguai.

Descoberta fazendo covers na web, a artista viralizou ao cantar uma música de Loubet em cima de um cavalo. Teve repercussão no meio e atraiu a atenção de um empresário, amigo da família. Já a escalada para o sucesso começou mesmo em fevereiro do ano passado, quando lançou o single “Boiadeira”, sobre uma patricinha que se muda para o campo. “A maquiagem dela agora é poeira”, diz um dos versos. Agora, um ano e meio depois, Ana Castela está prestes a chegar ao topo das músicas mais tocadas do país no streaming. “Pipoco”, sua parceria com Melody e DJ Chris no Beat, já alcançou a terceira posição no Spotify:

— Jamais imaginei que isso ia acontecer na minha vida. É muito gratificante. A ideia de ter a Melody na parceria veio do meu empresário, falamos com o pai dela, e eles toparam, graças a Deus. Eu sempre a acompanhei, desde “fale bem ou fale mal” (versos de “Fale de mim”, da funkeira de 15 anos). Emprestei para ela as minhas roupas country e gravamos o clipe.

Com tanto sucesso assim, o universo do campo está agora só nas letras. É porque Ana, que chegou a começar a faculdade de Odontologia, deixou a cidade de 11 mil habitantes — e a fazenda da família de 1.350 hectares — para viver na cidade grande, mudando-se para Londrina (PR). Foi uma forma de facilitar a logística de sua carreira, já que tem feito em média 29 shows por mês.

— Sinto saudade, mas gosto pra caramba da cidade também. Tem shopping, McDonald’s (risos). A agenda é intensa, mas já estou me acostumando. Aluguei uma casa e moro com minha mãe e minha irmã, de 6 anos. Quero, agora, uma daquelas caminhonetes, preta. Mas ainda não tirei carteira, não tenho tido tempo de fazer autoescola.

Outros artistas também já estão de olho nela para surfarem na onda. Foi durante a entrevista, por meio do empresário, que Ana ficou sabendo que Naiara Azevedo e Fernando, dupla com Sorocaba, entraram em contato:

— Estou chocada! Quero muito conhecê-los. Também sonho cantar com Luan Santana. Sou fã desde pequena. Espero que ele me note.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos