Por vídeo feito durante prisão de Roberto Jefferson, Moraes cobra informações da PF e de hospital

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

BRASÍLIA — O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que a Polícia Federal esclareça como foi feito o monitoramento do ex-deputado federal Roberto Jefferson durante a internação dele em um hospital do Rio de Janeiro e que a unidade médica informe a relação das pessoas que o acompanharam e o visitaram.

As medidas foram soclitiadas como parte dos esclarecimentos pedidos por Moraes obre as circunstâncias de um vídeo divulgado um dia após a determinação para que Jefferson voltasse para a prisão. O presidente do PTB voltou ao presídio no último dia 14 de outubro, quando recebeu alta médica. Na gravação, o aliado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que "ora" "em desfavor do Xandão”, termo usado por Jefferson para se referir ao ministro do STF.

Em despacho desta terça-feira, Moraes, atendendo a um requerimento da Procuradoria-Geral da República (PGR), determinou a expedição de ofício ao diretor do Hospital Samaritano Barra para que "informe os procedimentos de controle e autorização de visitas" a Jefferson durante o período de internação, apresente cópia do registro de entrada dos visitantes e a relação das pessoas que acompanharam o ex-deputado durante o período de internação.

Além disso, o ministro solicitou a relação dos funcionários da empresa de segurança privada que permaneceram no posto instalado na frente do apartamento de Jefferson, e a relação de todos funcionários (equipe médica, enfermeiros e auxiliares) que mantiveram contato com ele, sobretudo no dia da gravação do vídeo.

Ao responder a um pedido de explicações de Moraes, Jefferson fez uma provocação ao magistrado ao dizer que produziu o material para tratar da "maldição sobre os ímpios e perversos".

Ainda segundo o despacho, o ministro do STF expediu ofício ao Departamento de Polícia Federal para que esclareça "como foi realizado o acompanhamento policial do custodiado durante o período de internação".Preso em agosto por determinação de Moraes por causa de ataques às instituições democráticas, Jefferson foi internado após ter passado por problemas de saúde.

Além de estar preso, Jefferson já foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) por seus ataques às instituições. A defesa havia apontado a existência de problemas de saúde para pedir sua transferência para a prisão domiciliar. Jefferson é aliado do presidente Jair Bolsonaro, por isso sua prisão provocou descontentamento no Palácio do Planalto.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos