Por vaga, Fluminense se apega a goleadas sobre Barcelona e a 83% de aproveitamento como visitante

·2 minuto de leitura

Após buscar o empate na ida das quartas de final da Libertadores, o Fluminense vai até o Equador para enfrentar o Barcelona precisando de uma vitória para carimbar o passaporte à semifinal. No que depender do retrospecto como visitante na competição e no histórico como visitante diante dos equatorianos, a torcida tem motivos para acreditar.

Nesta Libertadores, o Fluminense soma três vitórias e um empate jogando fora de casa, totalizando um aproveitamento de 83,33%. Isso tudo após ter superado o considerado “grupo da morte” e classificado na primeira colocação. As vitórias foram sobre o Santa Fe, na Colômbia; sobre o River Plate, na Argentina, e diante do Cerro Porteño, no Paraguai. Também houve o empate diante do Junior Barranquilla, em jogo disputado no Equador, no mesmo estádio da decisão diante do Barcelona.

Santa Fe 1 x 2 Fluminense, em Armenia (COL)Junior Barranquilla, 1 x 1 Fluminense, no Monumental Isidro (EQU)River Plate 1 x 3 Fluminense, no Monumental de Nuñez (ARG)Cerro Porteño 0 x 2 Fluminense, no Nueva Olla (PAR)

Após o empate em 2 a 2 no jogo de ida, na última semana, no Maracanã, o Fluminense se classifica com qualquer vitória ou um empate, neste último caso desde que marque 3 ou mais gols. Um novo 2 a 2 levará a decisão da vaga para a disputa por pênaltis. A partida acontece nesta quinta-feira, às 21h30 (de Brasília), no Estádio Monumental.

A história também está a favor do Fluminense nesta etapa de quartas de final. O aproveitamento tricolor enfrentando os equatorianos fora de casa é de três vitórias e uma derrota, com os

triunfos sendo goleadas. Todos em amistosos, claro, mas que dão confiança para um momento de tamanha tensão.

A mais recente delas, inclusive, em 1985, precisou dividir as atenções da mídia com a conturbada renovação de Branco. O foco da diretoria tricolor estava na permanência do lateral-esquerdo, que negociava para disputar a Libertadores do ano seguinte pelo tricolor.

Enquanto isso, a delegação que havia conquistado o Campeonato Brasileiro no ano anterior viajou até o Equador para enfrentar o Barcelona. Coube ao 'Casal 20' brilhar para definir a vitória por 3 a 0, com dois gols de Assis e um de Washington.

Já na década de 1950, mais duas viagens até Guaiaquil e duas goleadas. A maior delas por 5 a 1, em 1956, onde a equipe liderada por Castilho, Pinheiro, Telê Santana e Waldo fez a imprensa local se render e apagar a imagem do "jogo disputado"que havia acontecido seis anos antes.

Na ocasião, o 6 a 4 a favor do Fluminense, em 1950, foi marcado por uma grande confusão e briga entre os atletas. No primeiro jogo oficial, a primeira fagulha de rivalidade entre Fluminense e Barcelona. Os gols tricolores foram marcados por Didi (3), Waldir, Carlyle e Tite. Ambos os jogos foram disputados no Estádio George Capwell.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos