Porta voz da Globo classifica Simone Tebet como "mãe dos pobres"

Brazilian Senator Simone Tebet speaks during the launch of her presidential bid during the Democratic Movement Party national convention, in Brasilia, Brazil, Wednesday, July 27, 2022. (AP Photo/Eraldo Peres)
Brazilian Senator Simone Tebet speaks during the launch of her presidential bid during the Democratic Movement Party national convention, in Brasilia, Brazil, Wednesday, July 27, 2022. (AP Photo/Eraldo Peres)
Senator Simone Tebet attends a meeting of the committee of the Constitution, Justice and Citizenship (CCJ) at the Federal Senate in Brasilia, Brazil September 4, 2019. REUTERS/Adriano Machado
Senator Simone Tebet attends a meeting of the committee of the Constitution, Justice and Citizenship (CCJ) at the Federal Senate in Brasilia, Brazil September 4, 2019. REUTERS/Adriano Machado

O porta-voz do jornalismo de TV Globo, Merval Pereira, disse no Twitter que a candidata à presidência da República, Simone Tebet (MDB) é a “mãe dos pobres”. A postagem foi feita depois que a candidata da terceira via foi entrevistada no Jornal Nacional, na noite desta sexta-feira (26).

A sabatina foi feita pelos âncoras William Bonner e Renata Vasconcellos que perguntaram sobre as propostas da candidata, caso ela se eleja presidente em outubro deste ano.

“A senadora Tebet passa uma boa imagem, preocupada com as pessoas, e mãe dos pobres”, classificou ele no Twitter.

O comentário de Merval gerou um misto de indignação e de piadas dos internautas que contestaram Merval, alegando que a candidata é ruralista. Alguns internautas chegaram a apontar que Tebet votou a favor da Reforma da Previdência, que atingiu de forma negativa os trabalhadores.

Uma das respostas ao jornalista ironizou dizendo “Mãe de 1% dos pobres com margem de erro de 0% a 3%"

Simone foi a última candidata a passar pela bancada do JN. Antes dela, passaram o presidente Jair Bolsonaro (PL), que abriu a semana de entrevistas, o candidato Ciro Gomes (PDT) e o ex-presidente Lula (PT).

Na avaliação de Pereira, a candidata saiu-se bem na entrevista e conquistou o eleitorado feminino ao contar que foi vítima do próprio partido.

A candidata da terceira via patina nas pesquisas de intenção de voto, ficando na margem de 2%.