Porteiro do sindicato dos metalúrgicos no ABC acusa presidente da entidade de xingá-lo de 'lixo' e 'nego idiota' antes de demiti-lo

·1 min de leitura
Cícero Martinha é presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Santo André e Mauá (Foto: Reprodução / Instagram @ cfmartinha)
Cícero Martinha é presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Santo André e Mauá (Foto: Reprodução / Instagram @ cfmartinha)

A Polícia Civil de São Paulo, instaurou inquérito policial em dezembro para investigar uma denúncia feita por Osvaldo Pereira Lopes, o Grapiúna, que era porteiro do Sindicato dos Metalúrgicos de Santo André e Mauá por injúria racial, contra Cícero Firmino da Silva, o Cícero Martinha, presidente da entidade. O caso é apurado como injúria racial e o sindicalista nega a acusação.

De acordo com o funcionário, o presidente do sindicato lhe xingou de "João Ninguém", "imprestável", "traidor", "lixo" e "nego idiota" antes de demiti-lo do local sem motivo aparente. Grapiúna, trabalhava no sindicato desde 2008.

Segundo o porteiro, as ofensas teriam ocorrido em 17 de agosto, quando Martinha o convidou para ir até um bar em frente ao sindicato, onde o demitiu, na frente de outros diretores da entidade.

Apesar das ofensas terem ocorrido em agosto, Grapiúna só decidiu denunciar o caso em dezembro por temer represálias por parte do agressor durante o processo de seu desligamento do sindicato.

Em entrevista cedida ao G1, além de negar e se mostrar surpreso com as acusações de injúria racial, Cícero Martinha, alegou que a demissão do porteiro aconteceu juntamente com outros funcionários porque a receita do sindicato reduziu nos últimos anos.

O caso está sendo investigado e a denúncia foi formalizada no 1º Distrito Policial (DP) de Santo André.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos