Porto Alegre reabre bares apesar da taxa de ocupação de UTIs em 96%

LUÍS EDUARDO GOMES
·4 minuto de leitura

PORTO ALEGRE, RS (FOLHAPRESS) - Após o colapso na rede de saúde em Porto Alegre no mês de março, o governo do Rio Grande do Sul reabriu bares, restaurante e o comércio de rua, ainda que com restrições de horário e de capacidade. Nesta segunda-feira (11), a taxa de ocupação de UTIs em Porto Alegre ficou em 96%, pouco abaixo dos 100% que vinha registrando desde o começo de março. Especialistas alertam que os indicadores ainda estão bastante elevados e que a tendência de queda pode ser revertida com o aumento da mobilidade, que sempre segue o relaxamento de restrições. Em meio ao caos em março com o alto número de mortos pela Covid-19, o principal hospital privado de Porto Alegre, o Moinhos de Vento, chegou a instalar contêiner para abrir corpos das vítimas. Um hospital de campanha foi montado pelo Exército junto ao Hospital da Restinga e Extremo Sul (HRES), na periferia, que registrou pacientes recebendo oxigênio de pé, nos corredores da emergência. Porto Alegre entrou, em 22 de fevereiro, em bandeira preta, o mais alto grau de risco na Covid-19. Cinco dias depois, a medida se estendeu para o estado. Comércio não essencial e academias fecharam as portas. Na semana seguinte, o governador Eduardo Leite (PSDB) decidiu proibir venda de itens não essenciais até nos supermercados, o que obrigou grandes redes a bloquear com sacos plásticos as gôndolas com produtos que não fossem de alimentação, higiene e limpeza. Leite foi criticado por bolsonaristas nas redes sociais por causa da medida. No último dia 22, as restrições começaram a ser relaxadas. Atividades não essenciais puderam voltar a funcionar entre 5h e 20h nos dias úteis, o que permitiu a reabertura de bares, restaurantes, do comércio de rua, dos shoppings centers, entre outras atividades. Supermercados também puderam remover as lonas que bloqueavam corredores com produtos não essenciais. Leite também permitiu que comércio, academias e espaços religiosos funcionem aos fins de semana. Bares e restaurantes, por exemplo, podem operar apenas até 16h nos sábados e domingos, com limitação de 25% da capacidade máxima. Durante a semana, tiveram o horário limite estendido até às 23h. "A gente vê que os nossos clientes estão retornando aos pouquinhos, mas ainda um movimento muito aquém do necessário, diz Maria Fernanda Tartoni, da Abrasel (Asssociação Brasileira de Bares e Restaurantes no Rio Grande do Sul). Entre os comerciantes, a impressão ainda é de muita cautela do consumidor. "Os primeiros dias [de reabertura] foram muito fracos, acho que houve um certo receio das pessoas em voltar. O RS, de alguma maneira, foi o epicentro, uma nova Manaus. Então, é evidente que as pessoas têm medo", diz Irio Piva, presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Porto Alegre. Reitora da da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), a epidemiologista Lucia Pellanda avalia que a "boa notícia" é que as restrições implementadas pelo governo do Estado tiveram efeito, reduzindo inicialmente o número de casos, depois a ocupação de leitos clínicos e de leitos de UTI. "Talvez ainda tenhamos um pouco de aumento do número de mortes por um tempo, porque são óbitos de pessoas que internaram naquela época [no pico]. Então, a primeira notícia é que tem efeito. A má notícia é que eu acho que é insuficiente. A gente está numa situação muito crítica, ainda muito longe de estar confortável, apesar de estar reduzindo", diz. Já o Secretário Municipal de Saúde, Mauro Sparta, diz estar otimista que a queda nos indicadores pode perdurar. Entre os pontos, cita o cenário de queda nas solicitações de internação nas quatro Unidades de Pronto Atendimento (UPAs). Contudo, para os que atuam nas UTIs, a situação atual ainda é crítica. Chefe do Serviço de Medicina Intensiva Adulto do Hospital Moinhos de Vento, um dos dois maiores hospitais privados da cidade, Roselaine Pinheiro de Oliveira afirma que a instituição continua operando acima da capacidade regular. Nesta quarta, o hospital registrava 86 pacientes internados na UTI para uma capacidade instalada oficialmente de 66 leitos, o que representa taxa de ocupação de 130%. "Nós não temos tranquilidade, trabalhando a cada dia avaliando a situação. O que nós esperamos é que essa diminuição se sustente e que, com o aumento da vacinação, possamos começar a atender a maior demanda de outras doenças", afirma. No Hospital Nossa Senhora da Conceição, um dos dois principais para pacientes do SUS, a taxa de ocupação era de 147% nesta terça. "A UTI continua tensionada, mas o quantitativo está diminuindo e a gente tem um percentual de leitos que está começando a ser ocupado por outras enfermidades. Vaga livre não temos, porque sempre aparece alguém precisando. Mas, em relação à Covid, observamos que a tendência é diminuir", afirma Francisco Paz, diretor-técnico do Grupo Hospitalar Conceição. Já o HCPA (Hospital de Clínicas de Porto Alegre), o maior em termos de leitos a atender exclusivamente pacientes do SUS na cidade, apresenta uma situação aparentemente melhor. Nesta terça, a taxa de ocupação de UTIs na instituição estava em 90%. "Quando o sistema colapsou, nós tivemos uma ocupação de leitos de UTI próxima de 150%. Onde estão esses leitos? São leitos adaptados, leitos colocados na emergência. Todos com respirador, mas com profissionais que não são intensivistas", diz Beatriz Schaan, coordenadora do Grupo de Trabalho para a Preparação do Enfrentamento ao Coronavírus do HCPA.