Portugal prolonga estado de emergência sanitária até 8 de dezembro

·1 minuto de leitura
O presidente português Marcelo Rebelo de Sousa participa de cerimônia em memória das vítimas de Covid-19 no palácio de Belém, em Lisboa, em 2 de novembro de 2020.
O presidente português Marcelo Rebelo de Sousa participa de cerimônia em memória das vítimas de Covid-19 no palácio de Belém, em Lisboa, em 2 de novembro de 2020.

Portugal prorrogou nesta sexta-feira até 8 de dezembro o estado de emergência sanitária, que está em vigor desde 9 de novembro, enquanto o governo ainda não especificou as medidas que serão aplicadas a partir de terça-feira.

O presidente da república, o conservador Marcelo Rebelo de Sousa, anunciou que assinou um novo decreto que estabelece o estado de emergência pelo prazo de 15 dias, o máximo previsto na lei portuguesa.

“O estado de emergência durará o tempo que for necessário para combater a pandemia” do coronavírus, que poderá atingir o seu pico em Portugal “entre o final de novembro e o início de dezembro”, mas será “provavelmente” seguido de uma “terceira onda” em janeiro ou fevereiro, afirmou ele em um discurso televisionado.

O governo socialista se reuniu nesta sexta-feira em um conselho extraordinário de ministros para decidir as restrições sanitárias que serão estabelecidas sob o estado de emergência.

As medidas que serão aplicadas a partir da próxima terça-feira serão reveladas no sábado e podem incluir uma divisão do país em vários níveis de restrições dependendo da gravidade da situação epidemiológica.

Desde 9 de novembro, os municípios mais afetados estão sujeitos a toque de recolher noturno nos dias de semana e a partir das 13h nos fins de semana.

O teletrabalho é obrigatório mas, ao contrário do primeiro confinamento, as escolas estão abertas.

Cerca de 80% da população já está em processo de reconfinamento parcial.

tsc/pvh/bc/gma