Portugal vai repatriar 1.300 passageiros de um cruzeiro que partiu do Brasil

Um homem senta no banco da praça Rossio em Lisboa no primeiro dia do estado de emergência declarado pelo governo

Portugal vai organizar o repatriamento de mais de 1.300 passageiros de um cruzeiro que partiu do Brasil e atracou neste domingo (22) em Lisboa, devido à crise provocada pela pandemia do novo coronavírus, anunciou o governo.

Os voos humanitários que permitirão repatriar estes passageiros "aos seus países de origem começarão na terça-feira" em uma operação "coordenada com as embaixadas" dos países interessados, segundo um comunicado do ministério do Interior.

O "MSC Fantasia", com 1.338 passageiros a bordo, atracou na manhã deste domingo no porto de Lisboa. Além de 27 portugueses, há passageiros originários de 38 países, principalmente dos Estados da União Europeia, do Reino Unido, Brasil e Austrália.

Os passageiros portugueses, ou que tenham permissão de moradia em Portugal, serão submetidos neste domingo a um teste de detecção do novo coronavírus. Segundo as autoridades, só poderão sair "se o resultado for negativo".

Os outros passageiros vão desembarcar a partir de terça-feira, com autorização prévia das autoridades de saúde, para serem escoltados até o aeroporto de Lisboa e de lá retornar para seus respectivos países.

Portugal, em estado de emergência desde quinta-feira, pediu aos seus habitantes que permaneçam confinados em suas casas, ordenou o fechamento de comércios não essenciais e fechou suas fronteiras com a Espanha aos turistas, para evitar a propagação do COVID-19.

A partir de segunda-feira, todos aqueles que retornarem para Portugal do exterior deverão passar 14 dias em quarentena.

Segundo o balanço oficial, até este domingo, o novo coronavírus causou 14 mortes em Portugal, onde há 1.600 casos confirmados até agora.