Portugal volta a registrar longas filas para votar

LISBOA, PORTUGAL, 30/10/2022 - Movimento de eleitores brasileiros em seção eleitoral de Lisboa, em Portugal, para a votação do segundo turno presidencial entre Jair Bolsonaro e Luiz Inácio Lula da Silva. (Foto: Giuliana Miranda/Folhapress)
LISBOA, PORTUGAL, 30/10/2022 - Movimento de eleitores brasileiros em seção eleitoral de Lisboa, em Portugal, para a votação do segundo turno presidencial entre Jair Bolsonaro e Luiz Inácio Lula da Silva. (Foto: Giuliana Miranda/Folhapress)

LISBOA, PORTUGAL (FOLHAPRESS) - Brasileiros residentes em Portugal —segundo maior colégio eleitoral no exterior, atrás apenas dos EUA— voltaram a enfrentar longas filas para votar neste domingo (30), embora o fluxo de pessoas esteja mais organizado do que há quatro semanas.

Após um primeiro turno com filas superiores a 3 horas, Lisboa, cidade com mais eleitores fora do Brasil, teve um reforço na organização da votação. Uma empresa foi contratada para fazer a gestão da entrada e foram instaladas placas de orientação, além da criação de duas filas únicas: uma geral e outra para prioridades.

Ainda assim, a estrutura montada não foi suficiente para atender o fluxo intenso de pessoas, que já relatam problemas para encontrar o fim da fila em meio à multidão aglomerada.

Segundo dados do consulado do Brasil na cidade, mais de 5.000 pessoas já haviam votado na capital portuguesa até as 10h (7h do Brasil). Há 45.273 brasileiros aptos a votar, um aumento de mais de 113% em relação a 2018.

No primeiro turno, por causa do horário de votação acabou sendo estendido em três horas.

A estrutura de grades montada para as filas, em frente à entrada principal, também impediu a aglomeração de "torcidas" dos candidatos no local, como aconteceu no primeiro turno.